Do que escapamos: Farc acena com apoio a Kirchner na Argentina

Em sua página oficial, as FARC - em sua versão política, Fuerza Alternativa Revolucionaria del Común - comemorou a vitória de Kirchner/Fernández nas prévias eleitorais de 11 de agosto.

A versão política e adocicada é apenas a fachada do que as FARC (Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colômbia) são na realidade: um grupo criminoso sanguinário que promove na Colômbia a guerra civil mais longa do continente. Combatendo o exército do país, mantém a população debaixo do terror.

Em sua história criminosa se contabilizam mais de 200 mil mortos, 45 mil desaparecidos e mais de 7 milhões de pessoas que tiveram que sair de seus locais de origem por causa das ondas de violência lideradas por grupos ilegais.

As FARC são sustentadas e promotoras do narcotráfico, mineração ilegal, extorsão, tráfico humano e infiltração em governos de esquerda da região, como a Cuba de Castro, a Venezuela chavista ou o Equador de Rafael Correa.

Isso, evidentemente, para não citar o Brasil, que adulou a facção criminosa várias vezes no desgoverno de luladasilva.

Hoje, quando por aqui está na pauta a relação e o poder exercido pelo PCC ou Comando Vermelho no país e a luta de Moro contra essas organizações, é importante observar a semelhança das ações socialistas na América Latina.

Inicialmente apenas uma facção criminosa como o PCC, as FARC conseguiram, com o apoio da ditadura Castro, formar seu próprio partido e hoje, sem um voto sequer do povo, tem representação política e financiamento do estado.

E sem jamais abandonar ostensivamente a luta armada.

Durante seu governo, Cristina Kirchner - a verdadeira força por trás de Fernández - não só apoiou os Montoneros ou ERP, grupos terroristas argentinos equivalentes às FARC, como usou recursos do estado para ajudar suas famílias.

Uma tradição de família, aliás; o marido de Cristina, Néstor Kirchner, deu exatamente o mesmo apoio aos grupos criminosos quando no poder.

Falamos, portanto, de bandido apoiando bandido.

De poder.

A falácia de hoje de Fernández, que provavelmente vai levar as eleições presidenciais na Argentina - e consequentemente enfiar novamente a pistoleira Kirchner no poder - lembra muito a falácia populista e falseta de lula da silva, de castro, de chavez e de dezenas de tiranetes comunistas que afundaram seus países.

Para ser eleito, o gajo fala em moderação, abertura ao livre mercado e distância de ditaduras socialistas como a da Venezuela.

A verdade, entretanto, é que esse discurso está muito longe da realidade.

O verdadeiro poder que o apoia – Kirchner - também apoiou durante anos a ditadura de Chavez e Maduro, além de organizações criminosas.

Por aqui, o vigarista lula é mantido engaiolado (por enquanto), para sorte da nação.

Caso contrário estaríamos no mesmo caminho da roça que a Argentina.

E o PCC, alegre e faceiro, estaria tocando o terror nas ruas e na política.

Fonte: Mamela Fiallo Flor e Marcelo Duclos, jornalistas especializados em América Latina.

Marco Angeli Full

https://www.marcoangeli.com.br

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários