Folha problematiza filme de Rambo e vira chacota na internet

- Está dizendo que 200 homens contra o seu garoto é um caso perdido para a gente?
- Se mandar essa gente, não esqueça de uma coisa.
- O quê?
-Muitos sacos para os mortos.

O diálogo acima, entre o Xerife Will e o Coronel Trautman, com certeza, é um dos mais icônicos do cinema. Definiu, com perfeição, a essência de uma das franquias mais bem sucedidas da 7ª arte. Rambo é a epítome do "Cine Testosterona".

Quem consome esse tipo de filme (eu, por exemplo), não quer ver nada racional, plausível, correspondente à realidade. É uma atividade de LAZER. Só isso.

Pagamos o ingresso, REALMENTE, para ver gargantas sendo cortadas, com alguma das icônicas facas, e cabeças explodindo com tiros de Winchester.

Se você já concluiu o circuito terapêutico progressista e está liberto da "masculinidade tóxica", pode procurar algum lançamento Cult do cinema iraniano, ou rever "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain" (em VHS, para não perder a nostalgia).

Stallone é um remanescente do mundo antigo.

Rambo, então, é uma instituição.

Foi uma das obras que mais ajudaram a restaurar o orgulho americano, no pós-guerra. Em vez de focar na derrota, enalteceu o heroísmo dos soldados combatentes do Vietnã.

Os "críticos" que acham o filme "asqueroso", são os mesmos que reclamaram da depilação da Mulher Maravilha, pois uma heroína "empoderada" não podia seguir os padrões de beleza da sociedade patriarcal.

São tão idiotas e descolados com a realidade que, logo, vão reclamar, também, que o Pé Grande não corta as unhas.

Definitivamente, faltou Rambo pra essa geração.

"Cada época é salva por um punhado de homens que têm a coragem de não serem atuais" (CHESTERTON, Gilbert K.)

Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

Comentários