Saiba como a decisão de Barroso contra o líder do governo pode atingir frontalmente Toffoli e Gilmar (Veja o Vídeo)

Luís Roberto Barroso é, indubitavelmente, um dos mais decentes e bem preparados ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

É ele o responsável pela mais forte e firme reprimenda já sofrida por um ministro em toda a história do STF. No caso, Gilmar Mendes.

“Vossa Excelência envergonha, desonra este tribunal! É só ódio, bílis, ofensa! Você é uma pessoa horrível, uma mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia.”

Covarde, sem peito e argumentos para enfrentar Barroso, Gilmar ouviu em silêncio. Quando tentou reagir, foi impedido pela então presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que encerrou a sessão.

Veja o vídeo:

Mais recentemente, sem citar nomes, o mesmo Barroso denunciou a corrupção no STF.

“Menos de 1% dos presos do sistema está lá por corrupção ou por crime de colarinho branco. Tem alguma coisa errada nisso. E ainda assim, no Supremo, você tem gabinete distribuindo senha para soltar corrupto. Sem qualquer forma de direito e numa espécie de ação entre amigos”

Esta semana, no momento em que senadores são pressionados pelo presidente do Senado Davi Alcolumbre para que retirem suas assinaturas da CPI da Lava Toga, sob a tola argumentação de que um poder não deve interferir em outro, Barroso determina uma busca e apreensão dentro de um gabinete de um senador no Senado Federal.

Noutras palavras, pisoteou na retórica que vinha sendo utilizada por Alcolumbre.

Assim, o próprio presidente do Senado, evidentemente, ficou possesso com a operação autorizada pelo STF.

Toffoli, por sua vez, durante a semana, segundo relata a Revista Crusoé, tentou atuar como ‘bombeiro’ para diminuir a irritação de Alcolumbre.

Na realidade, Toffoli teme que a crise acabe instigando o Senado a levar em frente a CPI da Lava Toga.

É desta forma que a decisão de Barroso pode atingir diretamente aos dois ministros que possuem dezenas de pedidos de impeachment engavetados no senado.

da Redação

Comentários