A hipocrisia de Fábio Assunção, que com o seu vício ajuda a bancar o tráfico, presente no velório de Ágatha

"MORADOR DIZ QUE, NO MOMENTO, NÃO ACONTECIA TIROTEIO NA COMUNIDADE".

No fantástico mundo do Projaquistão, do alto da torre de marfim, a elite intelectual é implacável para julgar (e condenar) todo e qualquer ato da policia.

Sentados em suas salas climatizadas, longe do calor carioca, com as papilas gustativas agraciadas com bons whiskys e o intelecto estimulado com cannabis orgânica, buscam cada detalhe, apontam cada erro, vêem cada falha.

Não têm, porém, a menor noção de como é a realidade. Não conhecem nenhum dos lados.

Não sabem o que é sentir o cheiro de pólvora e sangue, debaixo da farda suada. Muito menos imaginam como é viver sob a lei do silêncio, imposta aos moradores.

Eles, que tanto berram por "liberdade de expressão", direito que têm assegurado pela Constituição, desconhecem o fato de que, nas comunidades, nossas leis não valem. Ali todos estão sob égide do Código do Crime e qualquer desvio é passível de pena capital.

Óbvio que QUALQUER morador vai dizer que NÃO HAVIA TIROTEIO. Se disser o contrário, é a próxima vítima. E, na calada da noite, sem uma operação policial sendo coberta pela imprensa, sua morte não será nem notícia. É só mais um corpo que some.

Há muito, o Rio de Janeiro está em GUERRA. E infelizmente, guerras têm vítimas. Algumas inocentes, como a menina Ágatha.

A culpa dessas mortes, porém, NÃO É da policia.

Querem encontrar culpados? Olhem pra mesa do lado, na sala de redação, e veja aquele coleguinha que "aperta" um baseado; depois, olhe para os parlamentares e para todos os que se sucederam no Palácio Guanabara e permitiram que todas as comunidades fossem tomadas pelo crime; depois, olhem para o próprio crime, para todas as facções covardes, que usam moradores como "escudos" contra a policia e impõe um regime de terror nos seus locais de domínio; por fim, olhem no espelho e vejam a imprensa que usa o corpo de uma menina de 8 anos como palanque para difundir uma ideologia.

Usuários, políticos, criminosos e imprensa. São ESSES os verdadeiros culpados. Culpados, inclusive, pelas mortes dos policiais, que tombam lutando uma guerra que não causaram.

Assistir o Fábio Assunção, que financia o tráfico há anos, com seu "uso recreativo", fazendo presença no velório da garota, para ganhar holofotes, chega a ser uma piada de mau-gosto. Um desrespeito com a vítima e sua família.

Querem descobrir quem matou Ágatha? Olhem para os que estão com os dedos em riste. São eles, que com sangue nas mãos, não apertaram o gatilho, mas a colocaram na mira.

"O mundo não será destruído pelo mal, mas por aqueles que olham e não fazem nada." (EINSTEIN, Albert)

Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários