Confrontos estratégicos: o jogo não é só de vontades, mas de estratégias

O PT provocou a decisão de Eduardo Cunha em abrir o processo de impeachment contra a Presidente Dilma. 
O PT sabia que Eduardo Cunha estava retendo a decisão da abertura, embora já tivesse embasamento técnico para tal, para contar com os votos dos representantes do partido na Comissão de Ética da Câmara a fim de arquivar o processo da sua cassação.
Um deles deu uma entrevista que repercutiu na mídia, afirmando que votando contra Cunha daria motivo para dar início "ao pior dos mundos". Ele sabia do que estava dizendo.
A direção do PT determinou que os deputados votassem contra Cunha e a sequência foi a esperada: ele aceitou o pedido dos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr. 
Cunha abriu as comportas da barragem e a lama começou a escorrer pelos vales do Regimento da Câmara.
Espertamente, não abriu todas. Rejeitou os argumentos que poderiam se voltar contra ele, como as supostas operações com a Petrobras, ilações e depoimentos de delatores. 
Para avaliar as perspectivas é importante entender as motivações do PT em romper com os entendimentos com Cunha. 
Quando um chantageado aborta o processo, recusando-se a pagar o preço exigido pelo chantagista, ele está disposto a arcar com as consequências. O chantagista cumpre a ameaça, mas também perde a sua arma. Mas ele ainda pode ter outras.
Os acontecimentos subsequentes dão indícios da estratégia do PT. O principal objetivo seria barrar o processo na votação em plenário sobre a admissibilidade ou não do processo. 
Como essa decisão precisa ser tomada por 2/3 dos votos, o PT imagina ou espera que, ocorrendo em período de férias, haveria ausências que fariam com que não houvesse os votos necessários. O PT só precisa de deputados suficientes para abrir a sessão, mas insuficientes para a aprovação. O grande esforço não será para levar os deputados ao Congresso, mas evitar a sua ida ou a sua presença na hora do voto.
Dai o seu esforço em evitar o recesso parlamentar de forma a fazer coincidir a votação com o período das festas ou das férias de janeiro. 
A oposição já percebeu a manobra e posiciona-se contra o recesso, apesar da a pressão dos movimentos favoráveis ao impeachment que querem Dilma fora, o quanto antes.
Mas o jogo não é só de vontades, mas de estratégias.
Um outro cálculo  (ou vontade) do PT é que nesse período de festas e férias, a classe média estará menos mobilizada e os movimentos de rua serão menores. 
Já os movimentos sociais que não tem condições de usufruir das festas e das férias estariam mais presentes nas ruas na defesa da Presidente Dilma. 
Pode estar certo ou, mais uma vez equivocado na leitura das manifestações. Há um fator adicional que são as versões da mídia com relação às manifestações. As coberturas podem inflar ou desinflar as diversas manifestações, segundo os interesses e cálculos das empresas de comunicação.
A grande indagação é se o PT tem cabeças estratégicas para conduzir as suas ações ou se saíram para a guerra, na base do voluntarismo e da confiança neles mesmos: "vai dar certo, porque tem que dar certo". 
Jorge Hori

                                   https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

Jorge Hori

Articulista

Mais de Jorge Hori

Comentários

Notícias relacionadas