Indignado, Carvalhosa chama atenção para o ESTADO DE REVOLTA da população contra o STF e seus comparsas no Senado e na Câmara

À exceção dos que apoiam o movimento Lula livre, a cidadania brasileira encontra-se em ESTADO DE REVOLTA contra a quebra da Ordem Democrática de Direito, perpetrada pelo Supremo Tribunal Federal e seus comparsas no Senado e na Câmara dos Deputados.

O que é Estado de Revolta? É o forte sentimento de uma grande coletividade que visa ao retorno aos princípios originários que regulavam as relações entre as autoridades e os cidadãos (Bobbio). Trata-se de uma grave insatisfação do povo, que exige a substituição imediata das autoridades que quebraram os princípios da moralidade publica, da legalidade de seus atos e da impessoalidade no exercício de suas funções.

A revolta é um movimento popular que em nosso mundo das comunicações, a tempo presente, se multiplica e se reforça de maneira exponencial.

E onde nos leva esse Estado de Revolta sentido pela maioria do povo brasileiro? A uma revolução popular, face à paralisação anunciada do Poder Judiciário no combate ao crime, em virtude da Lei Renan Calheiros de Abuso de Autoridade?
Ou ocorrerá essa mesma revolução popular em decorrência de uma eventual paralisação dos caminhoneiros, exigindo a restauração do Estado Democrático de Direito, ora substituído pela Ditadura dos Corruptos, sob o patrocínio do STF e do Congresso?

A insensibilidade e o cinismo dos garantistas da impunidade da Suprema Corte e a desfaçatez dos congressistas bolivarianos e do centrão, ao difamarem e destruírem as instituições que combatem a corrupção no Brasil não criam as condições de pacificação do povo brasileiro, continuando, pelo contrário, a nos afundar numa permanente crise moral, social e econômica.

Continuemos a nossa luta e mantenhamos a nossa dignidade e indignação como cidadãos.

(Texto de Modesto Carvalhosa)

da Redação

Comentários