As ONGs seriam “milícias” de interesses estrangeiros?

Bem lembro que lá pelas décadas de sessenta e setenta, desde o momento em que a palavra “governo” passou a ser equivalente a um “nome feio”, mesmo “palavrão”, perante a opinião pública, o status e o prestígio adquirido pelas chamadas “Organizações Não Governamentais - ONGs”, passou a ser algo verdadeiramente monumental.

Era a coisa mais “chique” do mundo invocar que determinada medida foi, estava sendo,ou seria providenciada a partir de alguma organização que não tinha nada a ver com nenhum governo, que não tinha nem “cheiro” de governo, e que se chamava, justamente por isso, ORGANIZAÇÃO “NÃO” GOVERNAMENTAL, “X”, ou "Y”.

Certamente o prestígio descomunal das ONGs decorreu em grande parte do “lixo” político saído das urnas e que estava sendo despejado no mundo pelas democracias degeneradas, ou seja, pelas OCLOCRACIAS, que acabaram corrompendo totalmente as verdadeiras democracias, praticadas pelos povos com maiorias politicamente “sem noção”, em benefício da pior escória da sociedade, que era atraída para fazer política e dela fazer uma “profissão”, não em benefícios do povo, mas em proveito próprio.

Nesse aspecto, particularmente o Brasil, foi “Prêmio Nobel”.

Parece então que os políticos tiveram a “genial” ideia de investir, tanto quanto possível, nas chamadas ONGs, aproveitando o prestígio mundial que essas organizações conseguiram angariar, justamente por se intitularem “não governamentais”, beneficiando-as com generosas facilidades e verbas públicas.

Não se conhece nenhuma ONG que tenha o espírito empresarial de produzir bens econômicos com objetivos lucrativos, ao menos “declarado”. Todas elas sobrevivem de doações, verbas públicas, ou “secretas”. E na verdade, produzem praticamente “nada”, em regra.

Ora, é evidente que os governos e quaisquer outros “investidores” privados não iriam desembolsar dinheiro de “graça” para as ONGs, por simples “bondade”, altruísmo, filantropia, espírito “assistencialista”, ou ajuda “humanitária”.

É evidente que acima de tudo estão os interesses econômicos dos “investidores”, na expectativa dos “retornos” que essas entidades podem dar em troca do que receberam.

Resumidamente: as ONGs passaram a ser um “negócio” muito lucrativo, usando, abusando e “comprando” mídia para enganar as populações.

Desse modo a “inflação” de muitas ONGs nas últimas décadas, que lotou o mundo, ou superlotou, como no caso da Amazônia, abrigando interesses menores, chegou a impactar o prestígio de algumas “antigas”, de reconhecida utilidade e idoneidade, e que efetivamente contribuem para melhorar o mundo.

A discussão que foi detonada no mundo inteiro após as queimadas nas matas da Região Amazônica, especialmente no mês de agosto recém-findo, tornou pública a quantidade impressionante de ONGs que atuam nessa região, a maioria “sustentada” por verbas e “interesses” estrangeiros.

O mais incrível de tudo isso tem sido a “coincidência” entre as queimadas na Região Amazônica, de agosto de 2019, e que foram muito semelhantes às dos anos anteriores, e a instalação do chamado SÍNODO DA AMAZÔNIA, pelo Papa Francisco, e que, também “coincidentemente”, conta com o apoio da esquerda internacional e dos países e grupos econômicos manifestamente interessados nas riquezas naturais dessa região, provavelmente interessados em fazer da Amazônia um “condomínio” que contemple os seus interesses, mesmo que desafiando a própria soberania brasileira sobre a região.

Está na “cara”, portanto, que as ONGs da Região Amazônica não passam de “paus mandados” de manifestos interesses estrangeiros, e ali atuam como se fossem suas “milícias”, ou forças “mercenárias”, fazendo o “papel sujo” que “eles” não poderiam realizar diretamente, e que esconde os reais interesses “oficiais” de governos e grupos econômicos estrangeiros sobre as riquezas naturais amazônicas.

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado, sociólogo,  pósgraduado em Sociologia PUC/RS, ex-advogado da antiga CRT, ex-advogado da Auxiliadora Predial S/A ex-Presidente da Fundação CRT e da Associação Gaúcha de Entidades Fechadas de Previdência Privada, Presidente do Partido da República Farroupilha PRF (sem registro).

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários