Em precedente perigoso, padre é alvo de inquérito após denúncia por suposta LGBTfobia na Missa (Veja o Vídeo)

O Ministério Público de Pernambuco abriu inquérito para investigar padre denunciado por LGBTfobia em missa.

Ao final de uma missa dominical na capela São João Batista, na zona oeste de Recife, o padre Rodrigo Alves de Oliveira Arruda pediu que os fiéis assinassem um abaixo-assinado no sentido de que o Senado aprove um projeto de lei limitando uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele teria criticado o “ativismo judicial” do Supremo Tribunal Federal (STF), que legislou no lugar do Congresso ao tipificar casos de violência contra comunidades LGBT como racismo.

O padre classificou a medida do MP como censura.

Discordar publicamente do STF é crime?

Um padre no púlpito, não pode argumentar contra uma decisão judicial?

Ademais, o acórdão do STF ainda não foi divulgado.

Qual o crime cometido?

Comentaristas do programa Hora Conservadora falam sobre o caso e o precedente perigoso que ele abre. O programa é transmitido todas as quintas-feiras das 20 às 21 horas, na Litoral FM Santos.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários