Marun, esqueceu de chamar o João Amorim?

Democracia tem tudo a ver com manifestação popular. Perfeito!
O Brasil nos últimos tempos tem assistido a belas manifestações populares espontâneas, onde cada cidadão extravasa os seus desejos, ideologias e sentimentos. 
Entretanto, para as figuras públicas, deve-se exigir um pouquinho de coerência.
A presença de Carlos Marun, deputado federal e contumaz bajulador do ex-governador André Puccinelli, no movimento em que se pede o impeachment da presidente Dilma Roussef, por suposta prática de improbidade, é ridícula.
Marum foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE) por supostas irregularidades e superfaturamento nos contratos envolvendo o governo de Mato Grosso do Sul e a DígithoBrasil Soluções em Software Ltda, empresa que cuidava dos serviços de informática da Agehab (Agência de Habitação Popular), braço da Secretaria de Estado de Habitação e das Cidades, que tinha o deputado como secretário. A suspeita recai sobre contratos que somam R$ 16.644.202,00.
Marun também é suspeito de utilização de laranjas em empresas construtoras que operavam para o estado, mas que tinham ele como verdadeiro proprietário.
Por outro lado, Marun, integrante do baixo clero da Câmara Federal, de atuação inexpressiva, resolveu aparecer  defendendo uma causa impopular, indigna e ilegitima. É um dos mais aguerridos componentes da tropa de choque de Eduardo Cunha.
Enfim, uma vida cabulosa, que tem no sr. João Amorim, um de seus mais fiéis parceiros.
Lívia Martins
Faça contato e envie denúncias para: liviamartins.jornaldacidade@gmail.com

                                    https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Foco MS