Experiência boliviana de revolta com o Supremo pode ser seguida no Brasil e consolidar uma tendência

O jornalista e escritor Eduardo Matos de Alencar, autor do livro “De quem é o comando”, que descreve com extrema precisão todo o sistema penitenciário do país, fez uma publicação em suas redes sociais, onde enaltece o movimento popular nacional que pretende ‘forçar a agenda de impeachment de um juiz corrupto da Suprema Corte brasileira’.

O texto é esclarecedor.

Eis a íntegra:

“É impossível saber se vai dar certo, mas forçar a agenda de impeachment de um juiz corrupto da Suprema Corte brasileira é o movimento político mais importante da atualidade.
Talvez o mais importante da história do país. E não há exagero nenhum em dizer isso.
O STF não se tornou só o abrigo da corrupção e do esfacelamento da Lava Jato. A Corte se tornou repositório do ativismo judicial mais detestável: cria crimes por analogia, como na história do mundo só fizeram os nazistas; quer tornar ato legal e patrocinado pelo Estado um crime horroroso; tenta a todo custo legalizar as drogas; e se mete a todo momento em atos administrativos da competência de outros poderes, constitucionalizando conselhos que não servem para nada e impondo despesas obrigatórios absurdas.
Isso para não falar do inquérito ilegal que conduz na maior desfaçatez, em busca de um mecanismo de cerceamento da liberdade de expressão e destruição do potencial de imprevisibilidade das redes sociais.
Não existe nenhuma expressão tão cristalizada daquilo que o petismo instituiu no país: a associação indissociável do estamento burocrático com o ativismo tresloucado, do rentismo com a ditadura dos especialistas.
Caso a ofensiva entre para a agenda política nacional definitivamente, é um recado não só para os magistrados que permanecerem, como para todo o restante do mundo. A experiência boliviana desponta como a primeira revolta desencadeada por uma Suprema Corte corrupta no século XXI. A brasileira pode consolidar uma tendência.
No momento em que Lula tenta atrair para si um arranjo de polarização e o Presidente corretamente silencia sobre o tema, esse retorno do protagonismo das ruas é exatamente o que o país precisa.
Isso é democracia no seu potencial máximo.
Que Deus nos permita dar uma lição nos Salomões Vermelhos, para que nenhum deles jamais se esqueça.”

Um ministro do Supremo pode muita coisa, mas não pode tudo e definitivamente não é um ‘Deus’, como alguns deles parecem crer.

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários