Jô Soares publica carta na Folha ironizando Bolsonaro e recebe resposta desmoralizante de leitor

O humorista Jô Soares escreveu uma carta de maneira irônica ao presidente Jair Bolsonaro tratando-o como “Leão, o Rei dos Animais”. Pura ironia e falta de respeito.

Não esperava uma resposta no mesmo estilo, igualmente irônica, mas desmoralizante.

Veja abaixo a carta de Jô e, na sequência, a resposta:

A Carta de Jô:

Très cher président: “Quo usque tandem abutere patientia nostra?!”
Frase que, em latim, vossa excelência, melhor latiador do que eu, conhece perfeitamente, foi dirigida em quatro cartas do senador e escritor romano Cícero ao Senado e ao povo em relação a Catilina, militar e senador que pretendia derrubar a República. Veja que ousadia! Isso antes do AI-5!
Mas o que me leva a esta monótona missiva é associar-me a vossa excelência no episódio do leão contra as hienas.
Realmente é um excesso de diversos predadores a atacar um leão solitário, tentando proteger-se e aos seus filhotes: são chacais supremos, racuns, capivaras e gambás, sem falar das folhas, cujo destino é inominável, e das eternas hienas globais.
A calúnia não para! Agora, querem lhe responsabilizar pelo fato de sua ilibada residência localizar-se na mesma região onde, por uma coincidência estúpida, habitava também um certo Ronnie, de alva notoriedade (mas em outro lar doce lar, é claro!). Sem nenhuma ligação, um valhacouto de papalvos!
(Para os menos ilustrados: 1- Valhacouto: lugar seguro onde se encontra refúgio; abrigo, esconderijo; o que se usa para encobrir o aspecto de uma coisa, ou as intenções de alguém; disfarce, dissimulação; 2 - Papalvo: diz-se de indivíduo simplório, pateta ou tolo.)
Voltando ao tema principal: cheguei a pensar, quando vi o vídeo (por sinal, parabéns pela montagem), que talvez a figura de Mogli, o Menino Lobo, criado na selva, enfrentando múltiplos perigos, fosse mais adequado a vossa excelência.
Meditei muito, passei a noite sem dormir, mas antes de apagar a luz estava começando um filme da Metro com aquele rugido característico: para mim, aquela mensagem foi decisiva. Pude finalmente dormir em paz: a sua definição é perfeita: vossa excelência é o leão. Vossa excelência é o rei dos animais!
Jô Soares
Humorista, escritor e influenciador analógico

A resposta:

Caro Jô Soares:
A Respeito de sua coluna na Folha de hoje, 10/11/19, onde, de maneira irônica encerra o texto com a frase
"...a sua definição é perfeita: vossa excelência é o leão. Vossa excelência é o rei dos animais!.", gostaria de tecer alguns comentários:
Primeiro é que não existem e nunca existiram Reis absolutos ou universais.
Nem mesmo Jesus Cristo é universal.
Seus súditos de resumem a aproximadamente 1/3 dos habitantes de nosso planeta.
E o leão… há! o leão pode ser o Rei dos animais lá pras bandas da África. Nas bandas de cá, deste lado do Atlântico, ele nem sequer existe.
Mas vamos admitir que como metáfora esteja valendo.
Ainda assim, o Rei Leão não é um Rei universal de todos animais. Existem animais que se recusam a ser seus súditos.
Por aqui, por exemplo, existem os Jumentos, que não dão bola ao Rei Leão.
Ao invés disso, preferem ser súditos de um outro Animal/Rei, um que acabou de migrar de Curitiba para São Bernardo do Campo…
Meu caro Jô, me digas de qual Rei tu és súdito e eu te direi que animal tu és!
Elza Araújo
da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários