Até tu, Witzel? O governador, candidato declarado a presidente, se aproxima das teses simplistas da esquerda...

O até então ilustre desconhecido candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro nas eleições passadas (2018), Wilson Witzel, conseguiu sua vitória nas urnas graças a sua aderência às posturas do candidato presidencial Jair Bolsonaro e ao apoio implícito de seu filho 01, Flávio Bolsonaro, a sua candidatura. Não fosse isso ele não passaria de mais um candidato nanico sem a menor chance de vitória diante dos políticos tradicionais do estado.

Todos sabem que a política é como uma nuvem - a cada momento que se olha ela está diferente. Assim, não é de todo surpreendente que tenha havido um afastamento do governador com o presidente eleito, até porque Witzel já manifestou seu desejo de ocupar a cadeira presidencial já em 2022. Ou seja: nada demais – coisas da política.

Surpreendente é a postura em relação às armas que o governador passou a adotar nos últimos dias.

Num evento na cidade de Duque de Caxias, Witzel queixou-se da grande presença de fuzis no Rio de Janeiro, mais de 5 mil, segundo ele. Disse que isso era culpa do governo federal, que não combate adequadamente o contrabando de drogas e armas. Afinal, se as armas não são nacionais elas devem entrar pelas fronteiras, portanto é um problema do ministro da justiça.

Com essa postura Witzel se aproxima das teses simplistas e tradicionais dos partidos de esquerda: a culpa é das armas! Como as armas não podem ser “desinventadas”, então nada podemos fazer contra a criminalidade.

É impressionante como os políticos gostam desta tese. Ela os libera de qualquer responsabilidade.

O problema é que a realidade teima em contrariar esta argumentação.

As quadrilhas que abastecem com armas o estado do Rio de Janeiro são as mesmas que abastecem o restante do país, ou alguém acha que os contrabandistas têm preferência por algum mercado em particular? Entretanto, só nas cidades fluminenses a bandidagem desfila acintosamente com armas poderosas desafiando o poder público, até mesmo divulgando filmes pela internet sem o menor receio de sofrer qualquer consequência. Isto não acontece em nenhum outro lugar do Brasil ou do mundo.

Em locais mais civilizados, bandidos sempre temem o braço da lei e procuram agir da forma mais discreta possível. O que vemos no Rio de Janeiro é uma total inversão da ordem natural das coisas.

Em outros países, como nos nossos vizinhos Paraguai, Uruguai e Argentina, armas que são restritas no Brasil têm sua venda permitida a civis e nem por isso vemos a bandidagem se exibindo com elas. Talvez essa legislação mais liberal até seja o motivo por eles apresentarem índices de criminalidade menores que os brasileiros.

Enfim, mais uma vez nos decepcionamos com a classe política. Não é fácil combater a criminalidade no Rio de Janeiro, até porque foram anos de descaso por governos corruptos e incompetentes. Mas não será com soluções simplistas e demagógicas que enfrentaremos o problema.

(Texto de Leonardo Arruda. Associação Brasileira Pela Legítima Defesa - ABPLD)

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários