O colunista da Folha e a estúpida tese de que a sociedade não ganha ao mandar corruptos para a cadeia

Uma verdadeira afronta a sociedade.

Foi o que praticou neste terça-feira (19) o colunista Hélio Scwartsman, da Folha de S.Paulo, com a publicação de um artigo onde, com ares de ‘intelectual’, tem a pachorra de defender o argumento de que corruptos “são pessoas que não representam perigo físico a outros cidadãos” e “a sociedade não ganha nada” ao mandá-los para a cadeia.

Uma tolice desmedida e até ‘criminosa’.

O alcance do mal que o corrupto desencadeia vai muito mais além do que a simples lesão aos cofres públicos.

Ora, o corrupto rouba dinheiro de áreas como a saúde, segurança, educação, infraestrutura e, até mesmo, assistência social.

O prejuízo que a ação de pessoas, como Lula, Eduardo Cunha ou Aécio Neves causa, faz do corrupto um assassino com sangue nas mãos enlameadas pela corrupção.

Num momento em que a sociedade clama para que a corrupção seja tipificada como crime hediondo, aparece esse ‘neointelectual’ da Folha e expõe a tese esdrúxula e irresponsável de que a soltura do meliante Lula faz parte de uma ‘rota civilizacional’.

Só se for no caminho da absoluta putrefação da sociedade.

É lamentável e aterrorizante.

Veja abaixo a íntegra do artigo:

Cadeia para os corruptos?
Nunca achei que a cadeia fosse lugar para Lula e fico feliz que ele tenha sido solto. Daí não decorre que o considere inocente. Não dá para aceitar como ético o comportamento do líder político que, com forte influência sobre o governo, aceita de empreiteiros presentes no valor de várias centenas de milhares de reais. Se a lei não inibe esse tipo de atitude, é a lei que está errada.
Meu ponto é que o sistema de Justiça precisa ser capaz de identificar situações como essa e dar-lhes uma resposta jurídica, na forma de condenações. Não creio, porém, que a restrição da liberdade seja a pena adequada para casos de corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de influência ou qualquer outro crime cuja execução não envolva o uso ou a ameaça de violência.
A sociedade não ganha nada encarcerando pessoas que não representem perigo físico a outros cidadãos. Mas, se a minha tese é verdadeira, como acho que é, por que tanta gente fica indignada à simples menção da ideia de que corruptos (e traficantes, estelionatários etc.) não devem ir para a cadeia?
Um dos problemas mais graves com os quais grupos que dependem da cooperação entre seus membros precisam lidar é o dos "free-riders", isto é, as pessoas que tentam usufruir dos bens públicos sem dar a sua cota de contribuição. A forma que a evolução encontrou para resolver isso foi instilar em nós uma forte propensão emocional para punir aqueles que identificamos como violadores das normas sociais.
Não dá para dizer que não deu certo. O medo de sofrer sanções do grupo é um dos vetores que levaram à autodomesticação humana, fazendo de nossa espécie uma das mais autocontidas e menos violentas entre os primatas sociais.
É necessário seguir nessa rota civilizacional, o que, no estágio em que nos encontramos, significa refrear nossos impulsos instintivos para abraçar soluções mais racionais, mesmo que pareçam, à primeira vista, fracas demais.
Hélio Schwartsman
Jornalista, foi editor de Opinião. É autor de "Pensando Bem…".
da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários