Eu, Robô

A esquerda, sobretudo a velha carcomida imprensa vermelha destrutiva e travestida de "guardiã da verdade", tem tentado disseminar a ideia de que os apoiadores virtuais do atual governo não passam de "robôs".

Sim, é verdade. Já que eles descobriram tudo, não me resta outra alternativa, senão confessar. E o faço agora em público: EU SOU UM ROBÔ.

Logicamente que para embasar a “verdade” descoberta pela esquerda, eu preciso entrar nos pormenores da minha confissão, pois não basta que ela seja uma declaração pura e simples, vazia e desprovida de razões. Então vamos lá.

Sim, eu sou um robô... Programado para exaltar a honestidade e a moralidade pública, e para odiar a corrupção, os desvios e as más gestões que foram características dos governos da esquerda.

Eu sou um robô programado para ecoar os valores morais e a família, e para combater a imundície da imoralidade que a esquerda deseja implantar neste país.

Eu sou um robô programado para não acreditar na mentira dos falsos pagamentos da dívida externa e no engodo da “autossuficiência em petróleo”; para enxergar as obras inacabadas e superfaturadas, e para reconhecer os conluios feitos entre os governos do PT, os banqueiros e empreiteiros, “acordos" esses que tanto lesaram o país.

Eu sou um robô programado para repelir os benefícios a países ideologicamente alinhados com a esquerda, enviando o dinheiro do povo brasileiro, que poderia ter sido usado em estradas, hospitais, escolas e etc, e que também foi desviado para comprar a mídia que me acusa de robô, apenas para que ela fizesse propaganda daquilo que o governo na verdade não fazia.

Eu sou um robô programado para, com orgulho, colocar-me de pé e em posição de sentido em respeito ao símbolo máximo do meu país, que é a minha bandeira, e cujas cores representam nossas riquezas e o que há de mais belo na nação, e não para glorificar uma bandeira vermelha que em verdade não passa de um manto de desordem, imoralidade, desonestidade, crueldade, que representa o que há de pior e mais desumano no mundo.

Também sou um robô programado para estufar o peito e cantar com altivez e orgulho o Hino do meu país, letra por letra, palavra por palavra, frase .por frase e estrofe por estrofe até o seu último acorde.

Esquerda, tens razão... Enquanto EU, ROBÔ... VOCÊ, ROUBOU!

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários