O heroísmo é reconhecido e professora que salvou alunos do fogo finalmente recebe homenagem

Heley de Abreu Silva Batista, este é o nome da mulher que se sacrificou para salvar seus alunos do ataque criminoso de um assassino. O criminoso, um vigilante da escola em que a professora trabalhava, ateou fogo em si mesmo e em várias crianças. Heley entrou em combate corporal contra o assassino ao mesmo tempo em que tentava retirar as crianças da sala.

A tragédia resultou em 14 mortes, incluindo a própria Heley, que teve 90% do corpo queimado. Dez crianças morreram e se não fosse a bravura da professora e das funcionárias Jéssica Morgana e Geni Oliveira, poderiam ter morrido muito mais.

Heley de Abreu será homenageada em Goiânia com um Centro de Educação Infantil em seu nome. Mérito do projeto apresentado pelo vereador Oséias Varão. Heley é a definição do heroísmo que precisamos e que devemos honrar em nossa sociedade. A abnegação completa em nome da proteção às crianças que lhes foram confiadas. Toda e qualquer homenagem rendida a ela, será pouco perto de seu altruísmo.

Apesar disso tudo, Heley e seu ato heroico são ignorados diariamente pela mídia, e é raramente lembrada pelos nossos legisladores na hora de conceder honrarias. Infelizmente, para eles, a morte de Heley não pode ser utilizada para atacar inimigos políticos ou para promover ações ideológicas. Não haverá artistas usando camisetas com seu rosto, nem caminhadas de "estudantes" em sua memória, tampouco visitas de figurões à sua família.

Resta a nós brasileiros e aos (poucos) políticos de bom senso, celebrar e imortalizar o exemplo de Heley de Abreu. Que sua memória siga viva e nos inspire a cada dia.

Conheça o blog do autor: https://www.fredericorodrigues.com.br/

Frederico Rodrigues

Analista Político e Membro da Direita Goiás.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários