Juiz Federal demonstra quanto custa para o país um condenado por tráfico de drogas

Vou lhe fazer uns cálculos. No final, você julgará.

O Brasil tem 166.000 presos por drogas. Cada um deles custa, por mês, R$ 1.800,00, ou R$ 21.600,00 por ano. Os 166.000 custam, então, anualmente, para seu bolso, R$ 3.600 bilhões.

Existem em torno de 500.000 mandados de prisão a serem cumpridos, dos quais 135.000 (27%) se referem a crimes de tráfico de droga. Então, 166.000 + 135.000 resultam 301.000 presos. Os novos presos (135 mil) custariam, por ano, R$ 6.501 bilhões.

Mas não é só isto. Para os 616.000 presos em geral, que vivem amontoados, faltam 200.000 vagas, das quais 27% ou 54.000 seriam para os que já estão presos por droga. Some-se essa quantidade aos 135.000 presos dessa natureza. Chega-se a 189.000 novas vagas só para essa categoria.

Cada vaga custa, no mínimo R$ 45.000,000 já incluída a propina, que, multiplicados pelos 189.000 presos, resultariam em R$ 8.505 bilhões.

Em síntese, se houver a prisão dos procurados por crime de tráfico e se o Brasil quiser alojar de maneira mais humana essa gente toda (301 mil presos por droga), terá que gastar, com construção de vagas, R$ 8.505 bilhões, e, com o sustento de todos, anualmente, R$ 6.501 bilhões.

Um hospital com 100 leitos fica por R$ 25 milhões. Uma escola para 540 alunos (3 turnos) custa R$ 6 milhões. Escola ensina, sendo o único caminho. As cadeias do Brasil são escolas, mas do crime. Um professor brasileiro, em média, ganha R$ 1.900,00, exatamente o que o Brasil gasta com um preso. Um aluno de escola pública custa, por ano, pouco mais da despesa mensal de um preso. O Brasil é o quarto maior do mundo em presos. Prende bastante, mas prende mal. A educação pública é a 88ª do mundo, mas é o sétimo mais rico do planeta.

O que você tem a dizer?

Odilon de Oliveira

Juiz Federal

                                                         https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Comentários