A polêmica em cima de vídeos do maestro Dante Mantovani faz sentido? (veja o vídeo)

Calma, gente! Garanto que vocês podem ouvir rock sem se tornarem drogados, abortistas ou venderem a alma ao capeta. No entanto, vale analisar com honestidade o argumento do maestro Dante Mantovani, que vem sendo alvo do analfabetismo funcional de jornalistas de grandes veículos de desinformação.

Não vi Mantovani dizer que o rock é causador de nada disso. Ele disse apenas que o rock é uma música feita muito mais para agitar o corpo do que para elevar o espírito.

Nesse sentido, o rock combinou com movimento de contracultura dos nos 60 e 70, que tinha no pacote as drogas e o sexo em um momento em que as pessoas privilegiavam as sensações corporais em contraposição aos costumes até então estabelecidos.

Não creio que o rock leve ao satanismo, mas não se pode negar que foi na geração "sexo, drogas e rock'n'roll" que explodiu o número de viciados drogados, doenças sexualmente transmissíveis, abortos e mães solteiras. Afinal, quanto mais sexo sem compromisso, mais gravidez indesejada, mais abortos, mais relacionamentos que terminam em separação e mais filhos criados sem pai, alterando a estrutura da sociedade. Coisa santa, isso não é.

Confira os comentários da bancada do programa Hora Conservadora, que é transmitido ao vivo às quintas-feiras pela Litoral 91,7FM Santos.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários