Em 1981, quando o Flamengo venceu o Liverpool, o clima era idêntico ao de hoje...

Ler na área do assinante

Era 13 de dezembro de 1981. Final do Mundial de Clubes de Futebol da FIFA, em Tóquio, Japão.

C. R. Flamengo e Liverpool F.C.

O mesmo clima de hoje.

A imprensa do mundo identificava o time inglês, como sendo o “exército dos diabos vermelhos“, numa referência simbólica para tê-los como sendo a seleção do mundo. Imbatíveis. Insuperáveis.

Não acredita? Leia os jornais da época. Poderiam até ser.

Perderam o jogo de 3 X 0.

Nosso técnico era Paulo Sérgio Carpegiani. E nosso time fez história.

Foi o antológico Flamengo de Raul, Adílio, Andrade, Lico, Nunes, Zico e muitos outros.

E o mundo, quase incrédulo, nos fez reverência e nosso time virou uma lenda.

Foi a supremacia consagrada do futebol brasileiro e sua carga histórica ante o mundo, mais uma vez.

Hoje, os tempos são outros. Mas na essência, a história é a mesma. E já se repetiu várias vezes, em vários cenários, países, com diversos times e com a nossa Seleção.

Ah, mas o Liverpool atualmente é a “seleção do mundo“! O time de milhões ou bilhões de euros.

E daí? Nós seguimos sendo o futebol do Brasil, a melhor, a maior e a mais vitoriosa escola futebolista da história do planeta de todos os tempos.

Os ingleses inventaram o futebol. Nós, os brasileiros, colocamos nele a nossa carga genética, o nosso charme, talento, técnica e a alegria e a arte de jogar bola e vencer com irreverência marmota e moleque.

O drible, a ginga, a precisão do passe e o gol bonito.

O time deles de hoje, é excelente! Merece todo o respeito! Mas nós somos o Brasil vestido de rubro-negro.

Pra cima deles, Flamengo!

E se jogarmos tudo o que podemos e sabemos, não tem pra ninguém. Porque o jogo é jogado e o baiacu é pescado.

Se os dois times disputassem a final numa pelada num campo de várzea lá em Bangu, provavelmente os gringos iriam pra roda! E além do mais, nós temos uma nação. Só no apito final é que nós vamos saber quem vai levantar a taça e ficar com a coroa.

Torço para que sigamos sendo os “reis do futebol”.

E que eles sigam fazendo o que eles sabem fazer bem: reverência para a coroa deles, a rainha.

Ah, e tem mais um detalhe: nós estamos com Jesus no jogo!

Vai que, além de brasileiro, Deus também seja flamenguista e queira colocar, mais uma vez, as coisas do futebol no seu devido lugar e cada um no seu quadrado.

Valei-nos, São Jorge! Valei-nos!

Foto de Luiz Carlos Nemetz

Luiz Carlos Nemetz

Editorialista do Jornal da Cidade Online. Advogado membro do Conselho Gestor da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes, professor, autor de obras na área do direito e literárias e conferencista. @LCNemetz

Ler comentários e comentar