Agricultores destroem lavouras após Fernández elevar imposto de exportação para 33% (veja o vídeo)

A Argentina, infeliz e inevitavelmente, parece trilhar o caminho da servidão, o mesmo seguido pelos venezuelanos e todos aqueles que se aventuram flertar com o Foro de São Paulo por tempo demais sem despir o lobo da pele de cordeiro.

O setor agrícola do país já havia sido duramente golpeado em setembro de 2018 com as alíquotas praticadas por Maurício Macri para tentar elevar a arrecadação com o objetivo de controlar o déficit fiscal. Mais recentemente, os agricultores adotaram uma postura defensiva, reavaliando e reduzindo a compra de insumos como fertilizantes e defensivos em função das incertezas burocráticas que pairam sobre o setor e a economia como um todo.

Entretanto, com a chegada ao poder do peronista Alberto Fernández, a situação vem escalando para um futuro de escassez e miséria. Muitos agricultores avaliam que o recente aumento dos impostos de exportação para 33% é apenas o começo de uma escalada tributária que deve avançar sobre o setor. Assim, têm medo de arriscar, pois avaliam que as regras podem mudar a qualquer momento, derretendo seus investimentos.

A aumentou gerou uma revolta entre os produtores, quem vêm demonstrando sua idnignação através das redes sociais.

Na internet, circula um vídeo em que um agricultor que, indignado com a tarifa, estaria destruindo a própria lavoura porque, supostamente, tal tarifa tornaria o negócio deficitário. O vídeo foi compartilhado pela deputada federal Bia Kicis em seu Twitter e pelo empresário Luciano Hang em sua conta do Facebook.

Em outro vídeo, outro agricultor diz que a questão é de “vida ou morte” e que toda vez que o governo fica sem dinheiro por irresponsabilidade própria, tenta cobrir o rombo cobrando dos agricultores.

Um produtor de milho elogiou a valentia dos colegas e disse que além da “fraude nas urnas” muita gente não votou na “gangue Fernández/Kirchner”. Confira:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários