assinante_desktop_cabecalho

Secretário da Cultura afirma: Estamos criando uma “comissão da verdade da Lei Rouanet”

Ler na área do assinante

No última sexta-feira, 27, o secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, concedeu uma entrevista em que dá suas opiniões e faz afirmações a respeitos do atual momento da cultura brasileira e sua idéias sobre o futuro.

Sobre a oposição ele afirmou que “quem quer fazer da arte veículo ideológico esquerdista, não terá lugar nessa gestão”.

Roberto Alvim antes de assumir a secretaria da Cultura estava como diretor da Funarte, onde confessou ter dificuldades por não ter conhecimentos jurídicos, porém agora diz que consegue impor o seus pensamentos a respeito da diversidade cultural, demonstrando toda a sua experiência de mais de 30 anos como diretor teatral.

“Sempre controlei equipes e desenvolvi meu modo de fazê-lo ao longo de 30 anos como diretor de teatro. Não trazer esse conhecimento de lá seria um grande erro. Então de algumas semanas para cá voltei a adotar meu estilo como diretor de teatro e tem funcionado muito bem”, afirmou Alvim.

O secretário disse sofrer ataques diários devido ao seu cargo, inclusive sendo chamado de “nazista”. Os artistas midiáticos tem feito um complô contra Alvim, porém o secretário reiterou que a secretária da Cultura está para servir a população geral e não a classe artística.

Sobre a tão polêmica lei Rouanet, Alvim disse:

“Temos 18 mil projetos que nunca foram auditados. Nunca foi analisada a prestação de contas deles. Isso caiu no meu colo. Então estamos criando uma “comissão da verdade da Lei Rouanet”. Seremos obrigados a contratar centenas de terceirizados para em dois anos dar conta de realizar essa prestação de contas. E vamos ver o que vai sair daí. Já tenho algumas informações do início desse processo. Sei que existem muitas irregularidades”.

Pensando na continuação da lei Rouanet o secretário afirmou que “ela é um mecanismo legítimo e interessante. Uma empresa designa parte do seu imposto para patrocinar obras de arte e eventos culturais. Não tenho nenhum problema com essa lei, em absoluto.”

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar