Grupo de Lima condena a farsa de Maduro e até a Argentina nega apoio ao ditador

O Grupo de Lima, formado por países da América - com o intuito de ajudar a Venezuela durante o período de crise - afirmou neste domingo, 5, não reconhecer o resultado da nova eleição para a presidência da Assembleia Nacional do país.

Forças do regime ditatorial de Nicolás Maduro impediram a entrada de deputados opositores (Juan Guaidó e outros) para a votação.

Em nota oficial, o Grupo de Lima afirmou:

"A Assembleia Nacional tem o direito constitucional de se reunir sem intimidações nem interferências para eleger seu presidente e sua diretoria. Por isso, desconhecemos o resultado de uma eleição que vulnera esses direitos e que ocorreu sem a plena participação dos deputados que estavam presentes na sessão.”

Com o apoio do “chavismo” o deputado Luis Eduardo Parra autoproclamou-se presidente da Assembleia Nacional da Venezuela.

A nota oficial foi assinada por Peru, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai e Santa Lúcia.

A Argentina não assinou a nota, porém na manhã desta segunda-feira, 6, o Chanceler argentino Felipe Solé repudiou o ato através de suas redes sociais, afirmando ‘em tese’ que o governo argentino não concorda com o fato ocorrido.

“O Governo argentino tem tentando, por todos os meios, que o diálogo e os acordos sejam o caminho para a plena recuperação do funcionamento democrático da República Bolivariana da Venezuela (…). Impedir o funcionamento da Assembleia Legislativa pela força é se condenar ao isolamento internacional. Rejeitamos essa ação e instamos o Executivo venezuelano a aceitar que o caminho é exatamente o oposto. A Assembleia deve eleger seu presidente com plena legitimidade.” escreveu Felipe Solé.
da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários