O Brasil que queremos e não teremos em 2016

Por que não conseguimos alcançar o Brasil que queremos?


Ao findar um ano velho e iniciar um novo ano, retomamos a esperança de que ‘as coisas aconteçam’.  Que, com isso, a economia brasileira volte a crescer, aumentem os empregos e a vida de cada brasileiro melhore.

Mas, muito dos desejos ficarão para virada de 2016 para 2017, como o foram de 1999 para 2000, de 2014 para 2015 e várias outras mudança de ano e depois nada aconteceu.

Desejamos, torcemos, rezamos para que afinal no ano novo aconteçam as esperadas reformas estruturais, que a sociedade reivindica há anos e que emerge como esperança a cada início de ano.

Elas não vão acontecer em 2016, tampouco em 2017 e 2018. Talvez em 2019, dependendo de como o eleitorado brasileiro vai se posicionar nas eleições. 

Se o povo brasileiro continuar elegendo os mesmos políticos patrimonialistas, nada vai mudar.

Para mudar precisará eleger outra categoria de políticos, diferentes dos atuais. O que é muito difícil num país desigual e com grandes carências para a população mais pobre.

A primeira condição para as mudanças é a sociedade dita organizada, a opinião publicada reconhecer essa realidade. E não querer que a não publicada compreenda.

Reconhecer a existência dessa diferença e trabalhar com ela é a condição preliminar.

O Brasil que nós (os da opinião publicada) queremos não é o mesmo Brasil que eles querem.

Pode se insistir na reforma política. Mas ela não vai ocorrer com o Congresso atual. Insistir agora é perda de tempo e de energia.

As grandes mudanças estão ocorrendo com a Operação Lava-Jato e seus desdobramentos. Ela vai tirar da cena política muito dos líderes atuais. Os líderes do patrimonialismo.

E quem ocupará o espaço?

Para efetivarmos as mudanças é preciso pensar e agir estrategicamente, para ocupar os espaços em 2018.

Eu não sei as respostas. Mas o importante é a pergunta.

E qual é a pergunta?

Jorge Hori

                                                               https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Variedades