assinante_desktop_cabecalho

O lance de sorte que salvou a vida do relator da Lava Jato no STJ, para tristeza da bandidagem

Ler na área do assinante

Um ministro eficiente, que tem conduzido com extremo denodo a Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Félix Fischer, para alvoroço dos corruptos e da bandidagem do colarinho-branco, está afastado desde julho deste ano, por um problema gravíssimo de saúde.

Mas, felizmente, ele voltará. Um lance de sorte o salvou da morte. Félix Fischer não corre mais risco e, segundo pessoas próximas, está ansioso para voltar a trabalhar. Nem pensa em abandonar a toga, optando pela aposentadoria.

Reportagem da Revista Veja revelou o ‘lance de sorte’ que salvou o magistrado.

Eis o relato:

“Era final de julho quando, ao fim de um dia típico de expediente, o ministro pediu que o motorista do STJ, antes de deixá-lo em casa, passasse em um conhecido centro comercial do Lago Sul, bairro nobre de Brasília. Glutão notório, Fischer queria comer pastel. Assim foi feito. O ministro, então, decidiu partir para uma segunda rodada, mas para degustar outra iguaria. O destino foi escolhido pelo próprio chofer: uma barraquinha de cachorro-quente, típica das entrequadras na capital, sem qualquer luxo. Com dificuldade para andar, apoiado em uma bengala, o corpulento relator da Lava-Jato acomodou-se nas proximidades da barraca e devorou quatro sanduíches.
Àquela hora, o motorista provavelmente já teria sido dispensado do trabalho. Mas naquele dia, a gulodice do ministro, que obrigou o condutor a encarar horas extras, acabou salvando-lhe a vida. Fischer começou a passar mal ainda no carro, instantes antes de desembarcar em sua casa. Nem a esposa do ministro, Sônia Maria Bardelli Silva Fischer, procuradora de Justiça aposentada do Ministério Público paranaense, nem a filha, a advogada Denise Fischer, estavam na residência. “Bendito cachorro-quente. Se não fosse essa gulodice dele, ele iria para casa mais cedo e passaria mal sozinho.”

E conclui a reportagem da revista:

“Fischer foi levado às pressas para o hospital. Exames iniciais feitos, por precaução o ministro se submeteu a uma máquina que atua como uma espécie de coração artificial. Assim que foi concluída a instalação do aparelho, relatou um colega de Fischer, o coração do ministro parou. ‘Se não tivesse a máquina, ele teria morrido’, relembra.”
da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar