Fala do ator Juliano Cassaré contra o financiamento público da cultura repercute na internet

"Precisamos nos libertar da ideia de que a arte deve ser paga por dinheiro público"

O ator Juliano Cassaré tem sido uma voz dissonante dentro do projaquistão. Recentemente foi criticado e taxado de machista pela turma da lacração, simplesmente por defender o importante papel tradicional do homem para a proteção da família.

Desta vez, Juliano atacou outro ponto sagrado para o lado vermelho da cultura, o financiamento público da arte.

Confira na íntegra o desabafo de Juliano:

"A fala inaceitável, execrável, do agora ex-Secretário de Cultura, é o exemplo perfeito de porque a arte e a cultura não devem estar sob a tutela do Estado. Ou ficaremos sempre nessa loucura: vem um governo e só dá apoio a artistas progressistas, vem outro governo e só apoia artistas nacionalistas. Isso é loucura.

Quem decide os rumos da cultura é a sociedade civil, com toda a sua diversidade e complexidade. A Capoeira, o Forró, o Cordel, o Samba, o Choro, a Milonga, o Repente, nossos mestres da escultura em Barro, Pedra e Madeira, nenhum desses precisou de um fundo ou de fomento estatal para nascer e se desenvolver.

Tudo isso veio do coração e da alma do brasileiro. Precisamos nos libertar da ideia de que a arte deve ser paga por dinheiro público. Menos impostos, menos burocracia, mais liberdade econômica.

Com mais tempo e mais dinheiro na mão, o brasileiro vai voltar a criar e consumir arte. Os atores mais antigos sempre contam que ganhavam dinheiro com a bilheteria. Construíram sólidos patrimônios assim. E por que agora quase ninguém mais consegue fazer teatro/cinema se não for via lei de incentivo? A resposta: É a mão grande do Estado que vai enfiada no bolso do artista, do técnico, do dono do teatro e, principalmente, do público."

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários