Resposta aos que nos acusam de triunfalismo: estamos confiantes e temos motivos

Não escondo das pessoas meu otimismo com o novo governo e o futuro do Brasil e sou, por isso, vez ou outra, classificado como triunfalista e até ufanista.

Para esclarecimento do leitor, segundo o dicionário Houaiss triunfalismo é “atitude excessivamente triunfante; sentimento exagerado de triunfo” e ufanismo é “orgulho exacerbado pelo país em que nasceu; patriotismo excessivo”.

Não se trata disso, mas sim, de avaliação objetiva dos resultados do primeiro ano desse governo. Depois de décadas de ilusões socialistas o Brasil parece, de fato, finalmente, estar retomando o rumo do desenvolvimento. Só não vê quem não quer.

Graças as mudanças promovidas pelo presidente Jair Bolsonaro e sua equipe, as perspectivas para esse ano, e os próximos, são animadoras.

Quando avaliamos alguns dos principais indicadores e notícias recentes da economia, ficam claras as razões para acreditar em um ótimo 2020!

Os dados incluem: recordes históricos de pontuação do Ibovespa, menor taxa de juros da história (taxa Selic), risco país em seu menor nível em nove anos, baixa inflação, grandes avanços no ajuste fiscal, incluindo a reforma da previdência, melhora nos índices de confiança de consumidores e empresários, assinatura do tratado de livre comércio com a União Europeia, privatizações, atração de investimentos estrangeiros e retomada gradual da geração de empregos.

Uma política econômica liberal e pragmática, associada a escolhas técnicas para cargos de confiança, animou empresários e investidores.

Podemos, sim, em algumas décadas, alcançar o nível de desenvolvimento de nações do primeiro mundo.

Temos ainda, excelentes notícias de outras áreas.

Por conta da corajosa e competente ação do ministro Sérgio Moro, os índices de criminalidade despencaram no país, com redução, por exemplo, de 22 % no número de mortes violentas. Milhões de brasileiros, sobretudo jovens, foram salvos.

Graças, também, a capacidade e comprometimento do ministro Tarcísio Gomes de Freitas, o país caminha para uma revolução em sua infraestrutura com grandes benefícios para o agronegócio, para as exportações e outros setores. O programa de concessões tem sido um sucesso, gerando caixa para o governo, trazendo investimentos, aumentando a eficiência e reduzindo custos.

Na educação, o programa das escolas cívico-militares promete estender a bem-sucedida experiência que o país já tem com as escolas militares a um número muito maior de alunos.

Em todos os outros ministérios temos importantes ações de desenvolvimento.

É claro que há grandes desafios pela frente, incluindo a interferência e sabotagem da esquerda radical e daqueles que querem a volta da velha política de suborno institucionalizado. Essa gente prefere um país fraco sem Bolsonaro a um país forte com ele.

Para os que nos acusam de triunfalismo ou ufanismo nossa resposta é: Estamos confiantes e temos motivos para isso! O Brasil será uma grande potência!

Alan Sant’Anna

Alan Sant’Anna é palestrante, consultor e escritor. Através de sua empresa CONEXÃO CONSULTORIA EMPRESARIAL já realizou mais de 1.850 palestras e cursos em 90 cidades brasileiras e mais de 100.000 pessoas participaram de seus treinamentos. Alan Sant’Anna é também colaborador de jornais e revistas com mais de 63 artigos publicados e autor de quatro livros: A Equação do Sucesso, Disciplina o Caminho da Vitória, Equilíbrio para uma Vida Melhor e Tempo e Sucesso.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários