Sem perdão para secretário executivo que cometeu ato "imoral" (veja o vídeo)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou na manhã desta terça-feira, 28, a demissão do secretário executivo da Casa Civil, Vicente Santini.

O anúncio foi feito depois que se tornou público o fato do secretário ter usado um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para se deslocar de Davos na Suíça até a Índia, para acompanhar o presidente e outros ministros durante a estadia para firmar parcerias no país.

Vicente Santini, estava representando o ministro Onyx Lorenzoni que está de férias.

“Questão do avião da Força Aérea. Inadmissível o que aconteceu. Já está destituído da função de [secretário] executivo do Onyx. Decidido por mim. Tá, vou conversar com o Onyx, ver quais outras medidas podem ser tomadas contra ele. É inadmissível o que aconteceu. Ponto final”, disse Bolsonaro.

A assessoria de imprensa da Casa Civil fez um comunicado oficial na noite da última segunda-feira, 27, e afirmou que:

"Em relação à utilização de aeronave da FAB pelo secretário-executivo (e ministro interino) José Vicente Santini: A solicitação seguiu os critérios definidos na legislação vigente."

Entretanto o presidente foi enfático e direto.

“O que ele fez não é ilegal, mas é completamente imoral. Ministros antigos foram de avião comercial, classe econômica”, afirmou Bolsonaro.

O presidente se referiu aos ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia), e Tereza Cristina (Agricultura).

Bolsonaro disse ainda que conversará com Onyx sobre a situação de Santini, para ver se irão tomar mais “alguma medida suplementar” sobre o caso.

Confira:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários