Os delírios de uma petralha: a cineasta de 36 anos que só conhece a realidade da esquerda que a favoreceu e à sua família (veja o vídeo)

Petra Costa inventa até bebê demônio em entrevista para vender seu comercial ao mundo

Há alguns anos, para felicidade de marqueteiros desonestos, a mentira ainda podia ser usada como ferramenta política e muitas vezes profissional.

Um dos maiores embustes da história brasileira, por exemplo, foi a campanha para a reeleição de Dilma Roussef em 2014, comandada por João Santana.

De criação de dossiês falsos para desconstruir os adversários até a invenção pura e simples de factoides sobre a suposta ‘competência’ do poste de Lula, tudo foi usado para reeleger o poste de Lula - outro embuste - gerando a crise que todos vimos nos anos seguintes.

Hoje, entretanto, a velha máxima - pérola de todo marqueteiro sacana - de que ‘uma mentira repetida mil vezes se transforma em verdade’, de Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Hitler, parece ter perdido a força. Em tempos da interatividade proporcionada democraticamente pela internet, mentir descaradamente é temerário.

E fatal.

A moeda mais preciosa atualmente parece ser a credibilidade.

Porque então, nos perguntamos, ainda surgem personagens teimosos como Petra Costa, que inventa uma enorme narrativa mentirosa, diante de todo o país, com seu falso documentário? A resposta parece ser - e é - bem simples: grupos como a esquerda não podem contar, e nem conviver com a história como ela é.

A realidade está diante de todo o mundo, incontestável: Venezuela, Cuba, Ucrânia e outros países socialistas arruinados são a testemunha viva do fracasso da esquerda.

Não há mais nada a fazer, para o socialismo, além de mentir para tentar sobreviver.

É isso ou nada.

Veja o vídeo:

Não se trata, realmente, de um conflito ético ou moral. Se trata de grana e poder mesmo.

Acostumados a viver numa casta privilegiada mantida com recursos de um povo enganado - maioria absoluta explorada por eles - por mentiras ‘humanistas e liberais’, não sabem nem podem viver de outra forma.

Assim foi com a construtora Andrade Gutierrez, enfiada na lama da corrupção petista e elemento fundamental da genética de Petra Costa, cineasta de 36 anos que jamais viveu outra realidade a não ser a da esquerda que a favoreceu e à sua família.

O resultado está aí: um mentiroso e torcido registro de uma ‘realidade’ que só existe nos delírios mais insanos do desespero canhoto. O resultado está aí: democracia em vertigem e Petra Costa.

Marco Angeli Full

https://www.marcoangeli.com.br

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

Comentários