Carta Aberta ao Leonardo Sakamoto, o colunista da Folha

Sakamoto, jornalista do grupo Folha, traz em sua coluna um texto com a manchete:

“Ataque contra a jornalista da Folha é episódio grotesco de violência contra a mulher”.

Sakamoto, meu caro... senta aqui pra gente papear....

Vamos começar do começo...

Você, como jornalista, sabe bem, que quando há uma denúncia sob juramento, não é um ataque e sim uma exposição de fatos que aconteceram.

Testemunha, como no caso do rapaz que fez a acusação, é, para a lei brasileira, fonte de provas.

Já ouviu falar em prova testemunhal???

Pois é meu caro...

Sakamoto, saca só.... não é crime a mulher se oferecer para um homem em troca de alguma coisa.

Isso existe desde que o mundo é mundo.

Qual o problema da jornalista fazer isso??

Porque você condena quem faz esse tipo de coisa??

Você esqueceu o discurso do “o corpo é meu e faço dele o que quiser”??

Eu fui chamada de prostituta por um conhecido seu é não vi revolta!!

E olha que ele me chamou como um ataque... não como testemunha...

Na época até o questionei sobre qual o preconceito que ele tem contra prostitutas.

Sabe, Saka, quando a gente compra um discurso, como você compra, é preciso que você o aplique sempre, em todas as ocasiões.

Defina-se!!

Quando a gente defende um discurso na teoria e na prática faz outra coisa, deixamos de ser ativistas de uma causa... e passamos a ser hipócritas!!!

Pense nisso!!

(Texto de Flavia Ferronato. Advogada. Coordenadora Nacional do Movimento Advogados do Brasil)

Comentários