Sob avalanche de críticas sensacionalistas, Paulo Guedes entrega primeiro crescimento do setor de serviços em 5 anos

Nas últimas duas semanas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, vem enfrentando uma avalanche de críticas por suas declarações que ofenderam algumas pessoas mais sensíveis. Em um primeiro momento, o ministro chamou - com razão - parte do funcionalismo público de "parasitas". Em seguida, Guedes declarou que, com o dólar mais baixo, era mais fácil para domésticas viajar ao exterior. Nada de errado aqui também. Porém, a mídia sensacionalista e a esquerda aproveitaram para fazer a caveira do ministro.

É fácil entender porque há tanta ferocidade dos críticos do ministro sobre declarações absolutamente irrelevantes: precisam se agarrar nessas picuinhas ridículas pois não podem criticar os resultados do trabalho da equipe econômica.

Depois de um longo período de quedas, o setor de serviços teve um aumento de 1% em 2019. Desde 2014 os números eram negativos. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada nesta quinta-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As pesquisas dos últimos anos mostram que, em 2015, houve uma queda de 3,6%, em 2016 a queda foi maior que 5% e em 2017, 2,8%. Já em 2018, não houve queda nem aumento (0%).

Gráfico/ Fonte: G1
Gráfico/ Fonte: G1

A pesquisa inclui, por exemplo, salões de beleza, imobiliárias, oficinas mecânicas, escritórios de advocacia, agências de turismo, companhias aéreas e hotéis, entre outros.

“Em 2018 nós tivemos uma estabilidade e agora temos uma volta ao campo positivo, lembrando que entre 2015 e 2017 tivemos uma perda acumulada de 11%, então essa alta é importante, mas ainda está longe de alcançar o melhor resultado no setor", disse Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa.

A atividade que mais demonstrou crescimento no primeiro ano do governo Bolsonaro foi da tecnologia, como empresas que atuam nos segmentos de portais, provedores de conteúdo e serviços de informação na Internet e de tecnologia da informação.

O único setor que apresentou baixa foi o de transportes.

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários