assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Bolsonaro adota nova tática e se antecipa a eventuais deturpações da extrema-imprensa (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

O presidente da República Jair Bolsonaro, criticou a extrema-imprensa na manhã desta segunda-feira, 17, durante a saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro salientou que se no lugar dele estivesse o derrotado candidato à presidência do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, a imprensa o trataria de forma bem diferente.

O presidente comentou sobre a futura Reforma Administrativa e afirmou que a ideia já está “madura”. Entretanto, Bolsonaro salientou que está preocupado com a deturpação que fazem de todos os bons projetos apresentados pelo atual governo.

Uma das questões mais importantes apontadas na Reforma Administrativa é sobre a estabilidade do servidor público.

“Eu espero que se a gente mandar a proposta que tá aí (Reforma Administrativa) [...] não chegue a manchete ‘servidor perde estabilidade’, para jogar todos os 12 milhões de servidores contra mim”, disse o presidente, já se antecipando ao que poderá ser publicado para prejudicá-lo.

Bolsonaro classificou esse deturpe das ideias do governo como “guerra da informação”

“Essa questão da estabilidade [dos servidores públicos] é daqui pra frente, mas a gente sabe como funcionam as manchetes dos jornais”, exclamou Bolsonaro.

O chefe do executivo ainda salientou que nesta segunda, o jornal Folha de São Paulo ‘parece’ ter umas dez matérias em sua capa “dando pancada” nele.

“Impressionante! Se o Haddad estivesse aqui estaria muito melhor com toda a certeza. Estaria recebendo o Maduro, estaria fazendo homenagem ao general lá de fora”, desabafou Jair Bolsonaro.

Confira:

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários