O homem que poderia desvendar os mistérios do caso Marielle, virou, ele próprio, um mistério

Governador petista, Rui Costa, da Bahia, não protege testemunha - que temia ser assassinado.

Laudos periciais deixam claro que Adriano foi executado pela polícia da Bahia.

Na sequência, tentam cremar o corpo correndo.

O senador Flávio Bolsonaro posta na internet o corpo do ex-capitão, durante a autópsia:

“Perícia da Bahia (governo PT) diz não ser possível afirmar se Adriano foi torturado. Foram sete costelas quebradas, coronhada na cabeça, queimadura com ferro quente no peito, dois tiros a queima-roupa (um na garganta de baixo p/cima e outro no tórax, que perfurou coração e pulmões”, diz a publicação.

Segundo o professor da UFRJ e pesquisador das milícias José Cláudio Souza Alves, ouvido pela Folha de S.Paulo, tratava-se, para a polícia, de um “quadro simplificado”: apenas o cerco de uma casa, num entorno descampado. Setenta policiais do Bope baiano participaram da operação. Mesmo que de posse de um fuzil e uma pistola, como alegado, e mesmo que tenha atirado primeiro, como também alegado, que poderia fazer o fugitivo? “Uma operação de cerco lida mais com paciência, espera, controle e dissuasão do que com confronto direto”, diz o professor. O problema é que não se tratou de uma operação de cerco, mas de execução pela polícia sob o comando do petista Rui Costa.

Do que o PT tem medo?

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários