A força do “absurdo” utilizada pelos jornalistas militantes

Quando os jornalistas militantes dizem absurdos, tais como o de parar retroescavadeiras com “tiros nos pneus”, ou quando afirmam que senador tentando atropelar pessoas é “um estilo de fazer política”, ou quando insistem que incentivar crianças a acariciar homem nu em museu é “arte”, eles não estão sendo retardados, mas tomando e tratando o brasileiro médio como retardado.

Mas para além do desprezo que os jornalistas militantes nutrem pelo povo brasileiro, há outro elemento a compor a tática de defender algo com argumentos indefensáveis: o conhecimento psicológico de que há uma falha na mente humana que nos conduz a considerar o bizarro e o anormal se tudo for colocado por meio de uma linguagem sinuosa, insistente e, ao fim das contas, “convincente”.

É um trabalho constante de colocação de “camadas” de absurdos na mente do consumidor de notícias, de modo que a cada novo absurdo colocado sobre outro absurdo, o absurdo anterior pareça menos absurdo.

Tudo muito absurdo, não?

Sim, mas muito mais eficiente do que gostaríamos de supor.

(Texto de Marco Frenette)

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários