A fala dos generais

Praticamente começou com o general Hamilton Mourão, quando, em palestra na maçonaria, em Brasília, disse que uma “intervenção militar” poderia ser adotada se o Judiciário não solucionasse o problema político. Na época Mourão era secretário de Economia e Finanças do Exército, e respondia a uma pergunta dos organizadores do evento sobre a possibilidade de intervenção com base constitucional.

Segundo Mourão, o Alto Comando do Exército, naquela época, entendia que não era hora de agir:

“Até chegar o momento em que ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso.”

Em resposta, o Centro de Comunicação Social do Exército afirmou que a força “tem constantemente reafirmado seu compromisso de pautar suas ações com base na legalidade, estabilidade e legitimidade”.

Agora foi a vez do general Heleno. Expondo sua insatisfação com os parlamentares que desejam controlar o orçamento da União, o general falou em “chantagem” do Legislativo para aumentar o controle sobre o dinheiro, dizendo o seguinte:

“Não podemos aceitar esses caras chantageando a gente o tempo todo. Foda-se”.

Como não poderia deixar de ser, a fala do general caiu como uma bomba no meio político. Os presidentes da Câmara e do Senado tentaram reagir, esquecendo que o general pode não estar sozinho.

Antes, Heleno, em resposta a uma pergunta de um jornalista, disse que para anunciar um “novo AI-5” era preciso “estudar como vai fazer”. Tudo indica que esse estudo está sendo feito. Do jeito que as coisas vão, tudo pode acontecer, inclusive um novo AI-5.

A corrupção institucionalizada, a impunidade generalizada e a descrença na classe política estão forçando o povo a ir às ruas pedir a intervenção militar no país. Até agora é só um pedido; o problema será se os generais resolverem atender ao apelo.

Luiz Holanda

Advogado e professor universitário

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários