Deputado detona o Congresso: "Não é um golpe ainda, mas uma tentativa de enquadrar o Executivo numa sinuca”

O deputado federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PSL-SP), em entrevista concedida nesta quinta-feira, 27. fez duras afirmações sobre o atual momento político do país e sobre as manifestações populares marcadas para o dia 15 de março.

O parlamentar, um dos mais influentes apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, acredita que está havendo uma mobilização no Congresso de partidos, deputados e senadores, criando estratégias para enquadrar um possível pedido de impeachment de Bolsonaro “num modelo sequencial”.

Segundo Luiz Philipe, o planejamento da oposição é primeiro aprovar gastos e uma série de despesas no orçamento, depois privar o Executivo de utilizar parte desse orçamento. O governo então teria que pedir recursos para o Congresso, que - segundo acredita - iria negar, com a negativa o governo cairia na Lei de Responsabilidade Fiscal, por violação ao próprio Orçamento.

“O Congresso surrupiou R$ 30 bilhões e removeu das contas do Executivo, que já estavam comprometidas com um volume de gastos. Não é um golpe ainda, mas uma tentativa de enquadrar o Executivo numa sinuca”, disse o deputado.

Luiz Philipe salientou que o mais importante dentro desta manifestação é a população se colocar contra o Congresso, em vez de a favor do governo e que o intuito da manifestação não é o fechamento do Congresso, e sim para mostrar que população está de olho.

Segundo o parlamentar essas ações negativas do Congresso e da oposição acontecem porque não entenderam que os últimos cinco ou seis anos foram fundamentais para enraizar o ativismo no Brasil.

“Todos esses que ocupam as lideranças das duas Casas não sabem o que elegeu Jair Bolsonaro. Acham que foi robô, grupos pagos por grandes interesses internacionais ou nacionais, elite. Não é nada disso. É população raiz mesmo”, afirmou Luiz Philipe.

Sobre o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, o deputado disse que ‘se coube a ele dar tal declaração é porque não há como fazer essa interferência de maneira positiva’.

Entretanto, o parlamentar deixou claro e reiterou que o objetivo não é tirar Rodrigo Maia ou Davi Alcolumbre de seus respectivos cargos no Parlamento e Senado Federal.

“É muito fácil fazer a reconciliação. É uma questão de vontade política, de não desarmar as reformas do governo e não querer entrar nessa de fazer impeachment de uma maneira forçada”, finalizou Luiz Philipe.
da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários