TCE

Defender o socialismo é defender a precariedade, a miséria e o morticínio de seres humanos (veja o vídeo)

O socialismo, como doutrina política — além de fantasiosa, profundamente infantil, hostil, agressiva, maledicente e altamente falaciosa —, é um beligerante arcabouço de conceitos ostensivamente ditatoriais e homicidas, que tem se mostrado a mais eficiente máquina de matar ao longo da história humana.

Para se constatar estes fatos, basta estudar tudo o que aconteceu em países que implementaram o socialismo, e verificar quais foram os resultados.

Não temos um único exemplo de sucesso que possa ser relatado, e, em função desta ausência de êxito, socialistas fogem do debate, apelando para sentimentalismos relativistas, ao invés de aceitarem uma estrita e racional argumentação lógica e histórica para compreender com profundidade a impossibilidade daquilo que defendem.

Como descreveu de forma magistral o comentarista político Rodrigo Constantino em seu livro Esquerda Caviar:

“A ideologia é uma máquina de rejeitar fatos no momento em que estes apresentam riscos de constrangimento.”

O socialismo é uma doutrina política completamente estruturada sobre intenções supostamente "nobres", jamais em resultados.

Socialistas não se importam com a eficácia daquilo que pregam, e jamais se atrevem a recorrer aos exemplos do passado, para ponderar a respeito de sua falaciosa e assassina ideologia.

A permanência da omissão é redentora, e muito mais flexível. Permite aos simpatizantes desta atroz ideologia que continuem submersos no adorável mundinho de fantasias em que acostumaram-se a viver.

Na verdade, fazem tudo o que estiver ao seu alcance para perpetuar a farsa e jamais ter de confrontar a verdade: negligenciar a história e negar com intransigência o passado é fundamental para que o socialismo possa sobreviver.

Apenas por defenderem os “nobres” ideais socialistas, os indivíduos simpatizantes desta ideologia julgam a si próprios como sendo puros, corretos e abnegados seres humanos. Seguindo esta lógica, portanto, todos aqueles que não pensam como eles são, automaticamente, opressivos capitalistas gananciosos, imorais e malignos, que devem ser "convertidos" ao socialismo contra a sua vontade, no melhor dos casos. No pior, devem ser emparedados, para serem fuzilados. Como defendeu durante um comício partidário o brasileiro Mauro Iasi, o Stálin de fraldas do PCdoB.

Pela sua própria natureza estatizante, a concentração de poder no estado torna esta espécie de arranjo governamental muito perigosa.

Não é sem razão que a emergência do totalitarismo se faz tão latente em nações socialistas. O poder sem limites que uma oligarquia política é capaz de arregimentar em um ambiente de concentração de poder pleno e absoluto é um elemento prioritário para a asfixia das liberdades individuais.

Com o sufocamento do livre mercado — bem como de todos e quaisquer esforços produtivos oriundos de iniciativas individuais —, uma corrosiva e sórdida expansão da pobreza acaba se tornando inevitável.

O mais deplorável nisso tudo, no entanto, além da incapacidade dos socialistas em perceber e compreender as falhas inerentes da doutrina que defendem, é estar cercado por péssimos exemplos — como Sérvia, Venezuela, Cuba, Romênia, entre tantos outros países que são ou foram ditaduras socialistas — sistematicamente negados por eles, como se nunca tivessem existido.

Socialistas são indivíduos altamente passionais, que acreditam profundamente naquilo que pregam, mas fazem-no basicamente por sua incapacidade de controlar suas emoções, rejeitando completamente elementos como lógica e racionalidade, além de fatos históricos, em uma tentativa intransigente de obliterar a realidade, e manter a ilusão da sua fantasia utópica.

Pela própria natureza deficiente, pérfida e inerentemente maligna do ser humano, este sistema não teria como funcionar.

Seres humanos são invariavelmente corrompidos quando conseguem alguma espécie de poder — especialmente o poder político — e é ingenuidade pensar o contrário.

Evidentemente, em uma nação socialista, acontece o que sempre tem acontecido com todas as nações ao longo da história que foram vítimas deste pérfido sistema de governo: uma poderosa elite política, liderada por um tirano, não raro mascarado como “presidente”, jamais sairá do poder, apenas quando morrer. No processo, escravizará arbitrariamente toda a nação de forma brutal e terrivelmente violenta, para evitar possíveis conflagrações ou rebeliões populares que desafiem a sua autoridade, ou ameacem destroná-lo. Mas deixar o poder por livre e espontânea vontade é algo que um tirano socialista nunca fez no decorrer da história.

Desde que a Venezuela adotou o socialismo, por ocasião da vitória de Hugo Chávez em 1999 — que havia tentado tomar o poder à força, através de um golpe de estado, em 1992 — o mundo, em especial a América do Sul, tem testemunhado o seu gradual, porém voraz, trágico e destrutivo declínio, que tem ficado cada vez pior com o governo de seu sucessor, o igualmente despótico e autocrático Nicolás Maduro.

A nação, como um todo, encontra-se soterrada na mais absoluta miséria, com 90% da população vivendo em uma condição de pobreza absoluta.

A situação é tão terrivelmente nefasta, que podemos afirmar — sem temor de exageros —, que o que ocorre em território venezuelano é um genocídio de trágicas proporções. Recentemente, a desnutrição tornou-se um problema crônico entre o público infantil. O número de crianças e bebês que morrem vítimas de inanição aumentou dramaticamente. Não obstante, assim como a hiperinflação, que, nos próximos dois anos, pode chegar a inomináveis 4.600%, a mortandade causada pela fome e pela desnutrição são questões ostensivamente negadas pelo governo venezuelano, embora sejam evidentes. Depois que informações confidenciais concernentes à desnutrição crônica e a mortalidade infantil vazaram, chegando a outros países, a administração do Ministério da Saúde foi transferida para os militares.

As tragédias que acometem a Venezuela são sintomas inerentes ao socialismo. O socialismo do Século 21, de Hugo Chávez — radical por natureza, sem nenhum respeito pela propriedade privada e pelas leis elementares de mercado —, não poderia ter outro resultado.

O caudilho populista morreu, mas o resultado daquilo que ele defendia, para a infelicidade e o desespero do povo venezuelano, hoje é tão palpável e lancinante quanto mortífero. E está efetivamente exterminando a população.

O nosso vizinho do norte sofre na pele a extensão de toda a brutalidade dos horrores, da precariedade e da escassez inerentes ao socialismo, uma nação que outrora foi o quarto país mais rico do mundo.

Uma lição que serve para nos mostrar como esta nefasta e destrutiva doutrina política é capaz de reduzir a cinzas até mesmo nações relativamente prósperas e promissoras.

É uma grande lástima, no entanto, que socialistas não tenham a menor capacidade de compreender a natureza humana, o sistema político que defendem e continuem determinados a perpetuar esta cruel, degradante e deplorável doença.

(Texto de Wagner Hertzog)

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários