Gilmar sai em socorro do "Pavão de Tatui", e também é desmoralizado por Augusto Nunes

Neste domingo o ministro Gilmar Mendes saiu em defesa do colega Celso de Mello, que há poucos dias foi literalmente 'desmoralizado' pelo jornalista Augusto Nunes.

O texto do renomado jornalista qualifica Celso de Mello como o "Pavão de Tatuí".

Com requintado sarcasmo, o decano é desbancado de sua soberba. Ele, justamente ele, que partiu com ferocidade pra cima do presidente Jair Bolsonaro, em razão do imbróglio envolvendo a jornalista da Folha de S.Paulo, Patrícia Campos Mello.

A rigor, magistrado do Supremo Tribunal Federal jamais deveria se manifestar sobre atitudes do presidente da República, principalmente com o intuito de insultá-lo.

Assim, Nunes reduziu Mello ao que ele será a partir de novembro deste ano, um reles mortal. Nada mais.

Gilmar não gostou e tratou o que foi dito pelo jornalista como "manifestações odiosas". Eis o texto:

“As manifestações odiosas dirigidas hoje ao decano do STF só revelam a face oportunista e embusteira de um jornalismo manipulador e descomprometido com a verdade. [...] Soa irônico: o Ministro Celso foi agraciado pela Associação Nacional de Jornais com o 'Prêmio Liberdade de Imprensa 2019' – um dos poucos que aceitou receber nos seus anos de Supremo. Celso é espelho das mais nobres virtudes que um Juiz Constitucional pode cultivar”, escreveu Gilmar Mendes.

O ministro ainda afirmou que “curiosamente”, em 2012, Augusto Nunes encabeçou a campanha “Fica, Celso de Mello”.

O jornalista tratou de colocar Gilmar Mendes em seu devido lugar…

“A agenda de Gilmar Mendes é espaçosa, diversificada e estafante. Além de liderar a bancada dos ministros da defesa de culpados no Supremo, ele administra uma fábrica de habeas corpus que funciona até no recesso, comanda a instituição de ensino anabolizada por lucrativos seminários internacionais, desdobra-se em operações que livram de processos ou da cadeia seus bandidos de estimação em apuros, dá entrevistas para reafirmar que no faroeste à brasileira é o vilão que tenta prender o xerife, almoça e janta com parceiros de conspiração, planeja pessoalmente viagens a Portugal e orienta os assessores encarregados de preparar o voto que lerá na próxima sessão do STF, fora o resto.
É compreensível que tanta trabalheira invada o fim de semana. Neste sábado, por exemplo, Gilmar gastou a manhã adulando Celso de Mello no Twitter. Sem citar o nome do autor, mostrou-se indignado com o artigo publicado na véspera aqui no R7. 'Cem anos depois de Rui Barbosa, o Brasil tem de conformar-se com Celso de Mello', resumia a frase que amparava o título: O Águia de Haia e o Pavão de Tatuí. Já treinando para virar decano em julho de 2021, esforçou-se para produzir um palavrório à altura do juridiquês castiço que Celso de Mello tanto aprecia.
'As manifestações odiosas dirigidas ao decano do STF só revelam a face oportunista e embusteira de um jornalismo manipulador e descomprometido com a verdade', caprichou o Juiz dos Juízes. 'Curiosamente, em 2012, o autor das críticas de hoje encabeçou a campanha 'Fica, Celso de Mello'.
Verdade. Há oito anos, Celso de Mello teve um belo desempenho no julgamento do Mensalão — até tropeçar nos capítulos finais. Foi ele, por exemplo, o primeiro a constatar que a roubalheira obscena arquitetada por Lula e seus comparsas embutia 'um projeto criminoso de poder'. Confrontado com a informação de que o ministro pretendia encerrar a longa passagem pelo STF para cuidar da saúde, pedi que lá permanecesse.
Aquele Celso de Mello não existe mais. Começou a mostrar a face turva quando desempatou votações que resultaram na soltura de alguns delinquentes e no abrandamento das penas aplicadas a outros parteiros do projeto criminoso de poder. E escancarou a lastimável metamorfose quando se juntou ao grupo liderado por Gilmar Mendes.
É divertido ler Gilmar Mendes proibindo alguém de mudar de opinião. O tuiteiro que hoje sonha com a morte da Lava Jato foi um ardoroso defensor da maior operação anticorrupção da história [...]. Minha opinião sobre Celso de Mello mudou por vê-lo mudar para pior. Gilmar tornou-se inimigo da Lava Jato porque as investigações se aproximaram perigosamente do Congresso e do Judiciário.
Pelo que Gilmar escreveu, o decano ficou no Supremo para atender ao pedido que fiz. Se é assim, faço outro apelo: vai pra casa, Celso de Mello.”

Celso de Mello já está com os dias contados para deixar o STF - em novembro de 2020 - e será um grande vitória para o país. O questionamento que fica é: quando Gilmar Mendes deixará o Supremo?

Fonte: R7.com

Confira as publicações de Gilmar Mendes:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários