Prostíbulo e notas fiscais falsas viabilizaram repasses do BNDES para Paulinho da Força e Lojas Marisa, diz MPF

No julgamento do deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, no Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador da República Juliano Baiocchi fez uma afirmação chocante.

Uma casa de prostituição teria sido usada para desviar dinheiro do BNDES.

De acordo com a Polícia Federal, cheques foram encontrados no local identificando repasses para o deputado.

Numa outra frente de falcatrua, foi identificada uma consultoria que emitia notas fiscais falsas para empresas beneficiárias de financiamento.

A Lojas Marisa, que abocanhou R$ 394 milhões, teria sido uma das beneficiárias das notas fraudulentas.

Os tais financiamentos eram aprovados por conselheiros do BNDES indicados pelo decrépito Paulinho.

A algazarra do deputado, envolvendo prostíbulos e as Lojas Marisa, teve o seu ápice nos anos de 2007 e 2008, durante o governo do ex-detento Lula.

Atualização

O posicionamento das lojas Marisa:

Comunicado

Em função da menção da Marisa Lojas em alguns textos veiculados por parte da mídia no dia 03/03/2020 em relação a empréstimos tomados junto ao BNDES na década passada, a Marisa vem informar que tais operações foram realizadas em conformidade com a legislação em vigor e em linha com as melhores práticas do mercado. Essa realidade está retratada no próprio posicionamento do BNDES feito em 2008 no seu website. Para acessar a nota do BNDES, clique aqui.

Atenciosamente

Marisa

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários