A vida real é muito diferente do "Fantástico Show da Vida”

Hoje, depois de muito tempo, parei para conversar com uma esquerdista e, de verdade, fiquei mais impressionado do que da última vez. Me surpreende a incapacidade que têm de fazer uma autocrítica, de observar o resultado desastroso da ideologia que defendem.

Por um momento, o diálogo me fez questionar a própria realidade. É uma disparidade de percepção tão absurda, que torna plausível a hipótese de uma realidade paralela.

Será, mesmo, que vivemos na mesma dimensão?

Para a esquerda, tudo que o governo faz é hediondo. Bolsonaro esculachar repórteres é imperdoável; Damares dizer que "menino usa azul e menina usa rosa" é um atentado à diversidade; Paulo Guedes utilizar o exemplo das domésticas indo para a Disney é crime de ódio.

Não conseguem, porém, fazer um "mea culpa" e entender que este governo é um produto da própria esquerda. Bolsonaro é um fruto do extremismo; uma resposta à farra degenerada do progressismo.

Estes, que se indignam com os discursos atrapalhados do presidente e seus ministros, são os mesmos que não viam nada de errado nos discursos de Lula; que apoiavam crianças apalpando um homem nu; que defendem pedófilos, assassinos e toda sorte de criminosos; que criam narrativas falaciosas para usar as minorias como massa de manobra...

São tão alienados; tão prisioneiros do utópico mundo paralelo, que não entendem que o "povão", quem vota, não está preocupado, muito menos chocado, com as piadinhas de "tiozão" do Bolsonaro. Pelo contrário. Em muitas vezes, com seu jeito "tosco", ele diz exatamente o que os brasileiros querem ouvir.

Quem levanta 4:00, pra pegar ônibus, trabalhar o dia inteiro e voltar pra casa das 22:00, também acha que "vagabundo tem que se foder". Quem dá um duro danado, 8, 9, 10 horas por dia, sem nenhuma estabilidade, sabe todo o imposto que paga e é mal atendido em uma repartição pública, também acha que concursado é parasita. Quem tem uma filha pequena, uma mulher em casa, ou uma mãe, também quer que estuprador seja castrado.

A vida real é muito diferente do "Fantástico mundo da biblioteca".

A "direita", propriamente dita, não sabe fazer política. Está perdida, dando cabeçada, brigando entre si. Bolsonaro foi eleito graças à esquerda. Foram eles que, desastrosamente, tentaram subverter tudo que é importante às pessoas comuns, encenando um teatro que só convence à militância alienada.

O caso de Dráuzio Varella é um ótimo exemplo do quanto são alheios ao mundo real. TODOS os "coletivos" e militantes saíram em defesa de um pedófilo homicida, contrariando a maioria esmagadora dos brasileiros, indignados com a situação.

Eles, que defendem a impunidade e nos acusam de "odiadores", por não abraçar um estuprador, depois dizem que nós fomentamos uma "cultura do estupro", que só existe na ideia dos doutrinados.

Bolsonaro não é causa. É consequência.

Não precisamos de ninguém, ou nenhum estímulo adicional, que nos incentive a odiar a esquerda. Por si só, com seus próprios atos, ela já provoca repulsa em qualquer pessoa normal.

"A única verdade é a realidade."(ARISTÓTELES)

Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

Comentários