assinante_desktop_cabecalho

Marcola lidera greve de fome na penitenciária de Brasília, acabou o “diálogo cabuloso”

Ler na área do assinante

Atualização 16/03/2020, 10h: O Ministério da Justiça e Segurança Pública negou nesta segunda-feira, 16, que esteja havendo a greve de fome na penitenciária federal do Distrito Federal (DF). O assunto também foi pautado em outros veículos de imprensa, como o >programa 'Pingo nos Is', da Jovem Pan, do dia 13/03/2020.

Nesta quinta-feira, 12, circulou noticiário dando conta que líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) estão fazendo greve de fome na penitenciária federal do Distrito Federal.

Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, e seu irmão Alejandro Juvenal Herbas Camacho estão na liderança da tal greve.

Segundo familiares de detentos participantes da iniciativa, a principal reivindicação do grupo de criminosos é contra os maus-tratos que estão sofrendo.

Os familiares ainda afirmaram que, os presos reclamam da má de alimentação e da falta de atendimento médico.

A greve parece estar interligada entre diversos presídios onde a facção está presente, pois ao mesmo tempo que ocorre esse movimento dos presos de Brasília, detentos de diversos presídios de São Paulo se recusaram a sair de suas celas para ir à audiências que aconteceriam na quarta-feira, 11.

O cerne da questão é muito simples e fácil de decifrar. Com a chegada do atual governo, acabou - de fato - o 'diálogo cabuloso' com os bandidos.

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar