assinante_desktop_cabecalho

Ernesto Araújo reage a editorial da Band

Ler na área do assinante

Neste final de semana, o chanceler Ernesto Araújo reagiu ao editorial do Grupo Bandeirantes, apresentado no telejornal da emissora, que foi ao ar na última sexta-feira (20).

O âncora Eduardo Oinegue referiu-se de maneira extremamente agressiva ao deputado Eduardo Bolsonaro e ao próprio chanceler do Brasil.

Ernesto Araújo foi chamado de “idiota”.

“Por quanto tempo ainda veremos um idiota ocupar a cadeira de Rio Branco?”, questionou Oinegue.

A reação do chanceler foi seca. Sem maiores alardes e sem alimentar polêmica.

Ei-la:

“Apenas um registro: estou me dedicando inteiramente ao trabalho de repatriação dos brasileiros retidos no exterior e não tenho tempo para responder aos desaforos irresponsáveis e idiotizados de uma emissora como a Band”.

Em contrapartida, viralizou nas redes sociais o vídeo do jornalista Alfredo Bessow, que denuncia os motivos da nova postura adotada pelo Grupo Bandeirantes, de ataque ao governo Bolsonaro.

Para o jornalista, a Band, que estava prestes a ir para a bancarrota, foi salva por um grupo de mídia chinês, o China Media Group - o braço midiático do PCC-Partido Comunista Chinês, que tem procurado comprar espaços editoriais e montar parcerias financeiras e de conteúdo com veículos em dificuldades "operacionais" em várias partes do mundo.

Bessow revela que foi a própria Band que divulgou o acordo que fez com o grupo chinês, no dia 11 de novembro de 2019.

“A TV Band é uma concessão pública brasileira, que hoje tem um dono oculto, o governo chinês”, enfatiza o jornalista.

Os temos vulgares com que a TV Band se manifestou no Editorial de ataque ao governo Bolsonaro, são condizentes com a linguagem que a Embaixada da China se referiu ao mesmo fato - o que leva a conclusão de que o comando surgiu igualmente da representação diplomática da ditadura chinesa em Brasília.

Veja o vídeo:

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar