Advogado que foi preso por dizer que sentia vergonha do STF fala com exclusividade para a TV Jornal da Cidade Online (veja o vídeo)

O advogado Cristiano Caiado de Acioli sofreu uma grande injustiça em dezembro de 2018, porque ousou falar uma verdade compartilhada com todo o povo brasileiro. Durante uma viagem de avião comercial de São Paulo para Brasília, ele encontrou o ministro Ricardo Lewandowski e disse a ele que tinha vergonha do Supremo Tribunal Federal (STF). O advogado relembra o que o motivou a tomar tal atitude:

“Fiz curso de Direito, assistia a todas as sessões do STF televisionadas e ficava aborrecido de ver a barbárie que eles cometiam, e eles não recebiam nenhuma palavra de repúdio de ninguém. Quando eu tive a oportunidade e vi Lewandowski do meu lado no avião, pensei: ‘Alguém precisa fazer uma crítica’. Eu me senti no dever de me dirigir ao ministro e expressar o que eu sentia e pensava”, explicou.

Veja o vídeo do advogado Cristiano Caiado de Acioli falando com o ministro Lewandowski no avião:

Abordar o ministro e falar o que pensava, quase custou a liberdade de Acioli. Por ordem de Lewandowski, o advogado foi detido por agentes da Polícia Federal e levado para superintendência da PF em Brasília. Após prestar depoimento, ele foi solto. Para o advogado, o STF passou de todos os limites e não devemos mais nos calar.

“As pessoas vão ultrapassando os limites, e quando verificam que podem fazer isso sem resposta, elas ultrapassam mais, mais e mais... O que a gente vê na sociedade brasileira hoje é uma batalha campal, uma guerra política fratricida, e a última das preocupações é a endemia, o coronavírus, a preocupação maior é quem vai ganhar, quem tem mais poder e menos poder. O problema do país é que a gente se calou durante muito tempo”, ressaltou o advogado.

Ministra Rosa Weber vai julgar caso contra Lewandowski

O caso foi arquivado, mas, mesmo sendo declarado inocente, o processo contra Acioli foi mantido em sigilo até 2020 e agora, quando foi finalmente tornado público, ele protocolou no STF um pedido de reabertura da queixa-crime contra Lewandowski por abuso de autoridade. A ministra Rosa Weber será relatora do processo, mas será que vai julgar com isenção o colega de toga?

“Tenho poucas expectativas que a ministra Rosa Weber aplique a lei e aceite a queixa-crime contra o ministro Lewandowski. O STF não tem mais uma preocupação com a moral, com a justiça, com a proteção dos direitos constitucionais, é só uma ferramenta da impunidade, não é nada além disso”, lamentou o advogado.

Para se livrar de abordagens como a de Acioli, ministros do STF fizeram até uma passagem reservada no prédio em Brasília, evitando o contato com o público e a imprensa. Já as placas dos carros oficiais possuem três modelos removíveis: a verde e amarela (de ministro do STF, com o brasão da República); uma de fundo branco; e a placa cinza, dos cidadãos comuns. Por que eles têm tanto medo do povo?

“Eles temem muito, e o temor deles é proporcional ao autoritarismo deles, à vaidade”, completou o advogado, que pretende levar o caso às cortes internacionais.

Se cada cidadão levantar a voz e lutar por seus direitos e sua liberdade, viveremos uma democracia real. E não uma fantasia, onde alguns poucos senhores detêm em seus bolsos e cofres o tal estado democrático de direito.

Veja o vídeo:

da Redação

Comentários