assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Ronaldo Caiado, o traidor do centro-oeste e do Brasil! (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

Caiado é um nome próprio. Mas também pode ser um adjetivo.

Segundo os melhores dicionários a palavra é usada no sentido figurado para qualificar quem “usa disfarces ou se apresenta com outra aparência, dissimulado”.

E foi isso que aconteceu com Ronaldo, o carreirista de Goiás.

Sempre agarrado ao poder, onde circula voando como mosca varejeira para pegar uma rebarba há mais de 30 anos, atrelou sua cinta à Bolsonaro para buscar mais um dos muitos mandatos que exerceu como carreirista militante.

Médico que não atua há décadas, ruralista embuchado, sempre gostou dos aconchegos da corte.

Espertalhão, confiou no seu instinto e no seu faro de velho lobo. Sempre que desembarcou dos barcos onde era remador (nunca timoneiro), o velório político dos abandonados não demorava, vinha a caminho.

Foi assim desde Sarney até Temer.

De dia, malhava e de noite abraçava servil aos que de fato lhe serviam, com medo da sua língua e voz de tenor de lupanar, acostumado a falar grosso e ganhar no grito.

Com Bolsonaro também foi assim. Aliou-se já nas primeiras horas. Colheu os frutos doces da vitória e pôs a mão no mandato de governador do simpático Estado de Goiás.

Intuiu que o “capitão” faria água.

Numa jogada arriscada, pôs as fichas na mesa e as mangas de fora.

Filiado ao Partido Democrata, que sempre usou como galocha no barro molhado, sentiu a possibilidade de uma desidratação política e eleitoral do Presidente. E acreditou no crescimento de uma candidatura de Rodrigo Maia, insuflada novamente como um "déjà-vu" de dois anos atrás, como um novo balão de ensaio lançado pelos devaneios da aristocracia ruralista brasileira e por um dos irmãos Marinho, na esperança que têm de derrubar o Presidente. Como se diz por aqui (com todo o respeito): “Cagou-se no peidar”. Sonhou. Todos sabemos, que sonho é uma fantasia onírica. Acordou, passou.

Veja no vídeo a declaração de Caiado em 2018:

Mas o tanso do esbranquiçado acreditou que podia e chutou o Bolsonaro achando que estava arrasando.

Como também se diz por aqui quando alguém dá com os burros na água se achando esperto: “Arrombastes, Laíla!”.

Resultado: sua carreira política tomou uma pá de cal!

Caiado está caiado!

O velho lobo que se travestia de cordeiro, saiu tosquiado e branco de susto com a reação popular que caiu como um balde de água fria na sua cabeça grande de político pequeno.

Veja o vídeo:

Luiz Carlos Nemetz

Advogado membro do Conselho Gestor da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes, professor, autor de obras na área do direito e literárias e conferencista.
@LCNemetz

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários

Notícias relacionadas