A Farsa das Covas (veja o vídeo)

O papel da grande mídia nestes dias tem sido fundamental.

Fundamental para disseminar o pânico, a histeria e a desinformação.

Ou simplesmente inventando ‘notícias’ sobre o Covid-19.

Verdade, desgraça vende.

E, mais do que isso, serve de instrumento aos patrões da imprensalha.

A foto icônica das covas no cemitério de Vila Formosa, em São Paulo, é evidência cabal da ação dessa classe interessada no caos.

A imagem -de origem incerta, que alguns atribuem ao jornalismo da Jovem Pan- acabou viralizando e indo parar na capa do Washington Post, com comentários depreciativos ao presidente brasileiro.

A imagem, entretanto, passa uma realidade falsa e enviesada.

Fato que poderia facilmente ser confirmado pelos que se dizem ‘jornalistas’, irresponsáveis que publicaram a imagem no Brasil e nos EUA.

Mas não foi.

Tivessem checado, saberiam que a abertura de covas no maior cemitério da América Latina, o da Vila Formosa, é procedimento normal nesta época do ano.

Saberiam também que normalmente são realizados de 35 a 45 sepultamentos por dia nesse cemitério, e a taxa se mantém estável.

O próprio prefeito da cidade, depois de pressionado, correu pra desmentir a foto -depois do mal feito.

Não precisava, cidadãos de São Paulo se encarregaram disso antes dele, veja o vídeo:

Esse é apenas um dos exemplos, bem claro, do procedimento dos farsantes da mídia, lacaios dos que querem dar o golpe no país.Dados alarmantes e mentirosos sobre o número de mortes pelo vírus no estado de São Paulo não faltam, alimentados pela duvidosa atuação do governador, que ordenou que todas as mortes não fossem verificadas e sim atribuídas ao 'aterrador' corona.

Depois, discretamente, os números vão sendo corrigidos, sem alarde na imprensalha.

Caso, por exemplo, de 201 mortes atribuídas ao virus e verificadas na última quinta (30), já que há uma enorme pressão nas redes sociais e de familiares dos mortos.

Dos 201, 93 haviam sido verificados na quinta.

E confirmadas apenas 20 delas como causadas pelo vírus.

Para quem gosta de estatística, foram 20% do que foi divulgado com estardalhaço pelos irresponsáveis escribas.

Fica claro: o que acontece no mundo -e agudamente no Brasil- é o uso político do vírus.

Fica claro também que, muito mais do que contaminação e morte, a preocupação das autoridades é com uma sobrecarga nos sistemas de saúde.

No Brasil, o vírus e a histeria servem perfeitamente aos canalhas que enxergam na crise o momento perfeito para dar o golpe na democracia e em Bolsonaro.

Reuniões de porão não faltam, Maia, Alcolumbre e Mandetta confraternizando para o que?

Este é o momento para essa quadrilha aplicar seu golpe, o momento que esperavam.

Resta saber se o povo, careca de saber das intenções dos maias, dorias e alcolumbres, se calará.

Tudo indica que não, pelo desprezo da maioria da sociedade (até da esquerda) pelos citados.

Resta também saber se as Forças Armadas se quedarão inertes diante da possibilidade -eminente- do retorno da bandalheira que destruirá as esperanças do povo.

Tudo também aponta para um não.

Nos aproximamos perigosamente de 1964.

Conheça o blog do autor: Clique aqui

Marco Angeli Full

https://www.marcoangeli.com.br

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários