Promotora é atacada por entidade de magistrados, por recorrer da soltura de estuprador condenado a 109 anos

O cidadão tem uma pena de 109 anos para cumprir.

O crime? Estuprou os seus próprios sobrinhos.

Ou seja, cometeu o crime gravíssimo dentro de casa, contra a própria família.

Pois então, ai vem uma juíza e numa leva gigante de soltura de 1.508 criminosos e solta esse bandido.

Para protegê-lo do Coronavírus vai mandá-lo de volta para o 'aconchego familiar'.

A promotora, em defesa da família e da sociedade, recorre e ataca publicamente a atitude irresponsável da magistrada.

A Amagis, entidade que congrega os magistrados, toma as dores de sua integrante e ataca a promotora que, na realidade, tomou as dores da família das vítimas e da sociedade.

Não restou outra alternativa para a MP Pró Sociedade, senão uma Nota de Desagravo á promotora de Justiça Paloma Coutinho Carballido.

Tempos sombrios…

Eis a Nota de Desagravo:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários