O pecado mortal do Dr. Mandetta

Luiz Henrique Mandetta começou bem sua gestão do desafio “Coronavírus/COVID-19”. Político profissional e bom comunicador, Mandetta transmitiu tranquilidade e segurança em suas falas para a sociedade brasileira. Era o cara certo, no lugar certo, na hora certa.

Seu sucesso, porém, atraiu a mosca azul da política. Mandetta percebeu que com aquele nível de exposição sairia de ministro desconhecido para a condição de presidenciável. A mosca azul transmitiu o vírus do olho grande, que não é chinês, naturalmente.

O Dr. Mandetta não hesitou em golpear em uma coletiva o seu próprio chefe. Desqualificando o discurso de quem detém o cargo político que propicia a sua gestão técnica do Ministério, Mandetta cometeu o único pecado que a política não perdoa: a deslealdade.

O meio político é sujo: aceita corrupção, mentira e até assassinatos. Toninho do PT, Celso Daniel e as testemunhas da morte deste são provas disso. Mas a deslealdade é um pecado mortal na política. O oportunismo transformou o bom ministro em um moleque.

Com isso, perderá o prestígio junto aos conservadores e será usado pelos centristas que já têm suas alternativas para a Presidência. E nenhuma delas vai abrir mão para ajudar a colocar um desleal na cadeira de Presidente.

Todavia, o Ministro da Saúde segue cego pelos efeitos do vírus do olho grande. Ao virar as costas para a hidroxicloriquina, ordenando sua aplicação apenas em casos terminais e não logo no início do aparecimento dos sintomas, Mandetta poderá sacrificar vidas apenas para se contrapor ao Presidente da República. Essa barbaridade não será perdoada pelo país se isso acontecer. E de ministro desconhecido e depois presidenciável, Mandetta passará para a História como um rato.

Como ele mesmo sugeriu por e-mail nesta semana: no meio do caminho havia uma pedra. Para ele, é Bolsonaro. Na verdade, a pedra é o seu oportunismo.

Thiago Rachid

Conheça o blog do autor: Clique aqui

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários