“DitaDória” monitora celulares e ameaça prender inocentes

João Dória monitora celulares através de dados das antenas da Vivo, Claro, Oi e Tim, para saber se as pessoas estão em casa e localizar aglomerações. Se o nível de adesão à quarentena não subir para 70% neste fim de semana (hoje é de 50%), aplicará multas e prisão a partir de segunda-feira.

Ou seja, sob o pretexto de salvar vidas, ele ameaça a prender cidadãos inocentes, sendo que dados de celulares nunca foram usados nem mesmo para prender criminosos, que aliás estão sendo soltos aos milhares.

A ditadura estadual já controla o direito de ir e vir, de trabalhar, de culto religioso, de manifestação, de opinião e agora também a posição de cada indivíduo em tempo real. Qual é o próximo passo? Invadir residências para autuar e prender as pessoas?

A OMS já incentiva isso, sob o pretexto de isolar as pessoas "em um local seguro", alegando que a contaminação está ocorrendo em casa devido à quarentena. Será que vão isolar também quem "ameaça a saúde pública"? Afinal, esse tem sido o cretino argumento de todas as ações autoritárias aplaudidas pelos inteligentinhos.

Bom lembrar que, de certo modo, isso já rola. Em SP, pessoas apontadas como organizadoras de carreatas de protesto, mesmo não sendo as verdadeiras responsáveis, foram alvo de ações de busca e apreensão em suas residências, mas a maior parte da mídia não fez questão de noticiar.

A maior parte de imprensa, aliás, apoia a censura. É para isso que servem as agências de "checagem", que cometem erros grosseiros de análise, mas para essa turma vale tudo para recuperar o monopólio da "verdade". Até atitudes como a de Vera Magalhães, que pediu publicamente que Folha de S.Paulo demitisse um colunista, são vistas como normais.

Bom, está aí, Tudo acontecendo sob aplausos dos inteligentinhos, gente do mesmo tipo que foi pego "de surpresa" em todos os regimes totalitários. Gente com diploma universitário, mas com um horizonte de consciência de um jabuti, que vê a China apenas como um país "capitalista", o globalismo como teoria de conspiração e acha possível pairar acima das ideologias, baseando "na ciência".

É preciso entender que essas ações "para salvar vidas" pouco têm a ver com ciência. A ciência é que tem sido usada para justificar escolhas políticas. Vejam o caso da cloroquina e a quarentena: há mais evidências a favor da cloroquina do que da quarentena, mas os ditadores estaduais e municipais ignoram a cloroquina e usam a coerção estatal para forçar a quarentena.

Como falei após o ótimo pronunciamento de Bolsonaro, os Corona Boys desmascarados entrariam em modo de sobrevivência e o jogo ficaria mais perigoso, pois deles seria apostar no agravamento da epidemia e da crise econômica, para deixar a população mais assustada, necessitada e sem meios de ação. Aí está.

Dória transformou celulares em tornozeleiras eletrônicas e os adeptos da quarentena gourmet até gostaram. Afinal, crise não é problema para eles. Só quem morre de fome e passa necessidade são os mais pobres. Eles só não entenderam que estão negociando algo que pode não voltar mais: a liberdade e a dignidade humana.

Herbert Passos Neto

Jornalista. Analista e ativista político.

Comentários