O Covid-19, o desemprego e a oportunidade dos ricos ficarem mais ricos…

Vejo muita gente falar: vamos cuidar das vidas das pessoas... da economia depois a gente corre atrás.

Ou então: Esse vírus matará muitos pobres... mas depois dessa pandemia o mundo irá repensar melhor a distribuição de renda...

Bom...

Um estudo do IPEA diz que no Brasil, historicamente, o aumento de 1% no índice de desemprego causa 6 mil mortes diretas (fora as indiretas).

Então basta fazer as contas de que se houver uma quarentena prolongada (até fim de maio/junho) o índice de desemprego ficará entre 25 e 30% (aumento de 13,5 e 18,5%).

Mas esse texto não é sobre isso....

É sobre como será o mundo daqui pra frente!

Ao contrário do que muita gente anda escrevendo por aí, crises como a que estamos e iremos viver nos próximos anos, aumentará, ainda mais, a desigualdade social... não só entre países, como entre a própria população!

E é muito fácil entender...

Quando uma pessoa está desesperada por dinheiro, ela vende seu patrimônio e seu trabalho a preços bem menores do que o avaliado.

E quem tem dinheiro paga pela pechincha...

Entendem?

O mais rico compra a mesma coisa pagando bem menos e o mais pobre (e desesperado) vende recebendo bem menos!

O mais rico fica mais rico e o mais pobre fica mais pobre!!

(isso explica um pouco dos questionamentos do porque países em “ditadura” como na Venezuela, por exemplo, o governo não se importa em empobrecer seu povo... porque quem está enriquecendo é quem está no comando. Percebem?)

E é nessa filosofia que nos leva para tudo o que muitos apontam: hoje, quem tem dinheiro pra comprar é a China!

E a China comprará parte do mundo muito mais barato do que compraria antes.

E assim ela vai dominando territórios, continentes e o mundo...

Isso vale também para grandes fortunas, como a de alguns governadores, deputados e senadores....

Aliás, eles não reduziram seus salários.

Percebem como pra eles é uma oportunidade de comprar barato?

Flavia Ferronato. Advogada. Coordenadora Nacional do Movimento Advogados do Brasil.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários