Augusto Nunes desmoraliza o Estadão: “Editorial do Estadão contesta editorial do Estadão”

A grande imprensa, no afã de derrubar o homem que acabou com a fartura das verbas oficiais para os grandes veículos de comunicação, se perde em seus próprios devaneios.

Assim, sempre atento e antenadíssimo, o inigualável jornalista Augusto Nunes, em sua coluna desta segunda-feira (13), submeteu o Estadão a uma deprimente desmoralização.

O jornalista menciona o principal editorial da edição de sábado (11) do jornal. O texto elogia a decisão do ministro Alexandre de Moraes, que impede o presidente Jair Bolsonaro de suspender unilateralmente as medidas de isolamento tomadas por Estados e municípios para enfrentar a pandemia de covid-19.

“Se algo inspira algum otimismo neste momento, é a certeza de que as instituições, como o Supremo (...), são capazes de proteger o país das investidas irresponsáveis do presidente”, diz o texto do Estadão.

A intenção é atacar Bolsonaro. Nada mais.

Augusto Nunes questiona:

“Quer dizer que o Supremo Tribunal Federal está balizando e guarnecendo a rota que levará o Brasil a Porto Seguro?”

Na sequência, Augusto menciona um outro editorial do jornal, na mesma edição, que sugere exatamente o contrário, criticando o ministro Ricardo Lewandowski por ter condicionado à aprovação dos sindicatos acordos individuais entre empresa e empregado sobre redução de salário e suspensão de contrato de trabalho. “A pandemia não espera sindicato”, diz o agressivo título, criticando a conduta do mesmíssimo STF.

Por fim, sempre com brilhantismo, Augusto Nunes conclui:

“Ambas as decisões, tomadas liminarmente, ainda serão submetidas à apreciação do plenário. Nenhum ministro representa a totalidade do tribunal. É possível que a maioria dos ministros rejeite a decisão de Alexandre e aprove a de Lewandowski. Se isso acontecer, o Estadão continuará achando que o Brasil pode sentir-se protegido pelo time da toga?”

Boa pergunta. Qualquer resposta será melhor ainda”, fecha o jornalista.

Fonte: R7

da Redação

Comentários