Medidas de Witzel provocam repúdio: O Rio está fechado e compras estão sendo superfaturadas (veja o vídeo)

Em entrevista à TV Jornal da Cidade Online, o ativista político Alan Lopes, do Movimento Direita Inteligente, analisa a situação do Rio de Janeiro, que está entrando em colapso por conta das medidas arbitrárias do governador Wilson Witzel.

Com a justificativa de combater o coronavírus, ele fechou o Estado e está impedindo a abertura do comércio.

De acordo com Lopes, corremos o risco de ter uma guerra civil, porque a população está sem emprego, sem alimentação, sem condição de locomoção. Confira alguns trechos em destaque:

“Já vínhamos de um momento muito difícil, quando o estado estava em recuperação fiscal, até entrarmos nessa situação da pandemia. O que deixa a população carioca alarmada, é que o governador tem permitido que as secretarias, principalmente de Saúde, façam compras sem licitação, por conta do estado de calamidade. E ele não tem fiscalizado as compras de maneira correta. A Secretaria de Saúde, como vimos na semana passada, comprou equipamentos que acreditamos ser superfaturados. O governo federal pagou R$ 70 mil em um respirador, e o governo do Rio pagou R$ 198 mil! Fica aqui o repúdio da população carioca. O governador reconheceu que o valor está muito acima, afastou o secretário, e está instaurando, através do Ministério Público, uma auditoria para verificar todas essas compras feitas acima do valor de mercado.”
“Nunca fizemos testes para saber se a população contraiu o vírus, diante disso, não podemos isolar toda uma sociedade, acreditando que eles estão infectados. O ministro Osmar Terra tem dito muito bem isso, a curva só vai começar a descer quando a maioria da população contrair o vírus, isso é natural de todas as outras epidemias. O que a gente não pode é ter superlotação nos hospitais, porque não temos estrutura para isso. É até uma boa hora para pensar no que as outras administrações fizeram com nosso dinheiro.”

Veja o vídeo:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários