Agência "Aos Fatos" cria Fake News para difamar o Jornal da Cidade Online e é desmascarada

Na última quarta-feira, 22, a agência de checagem, Aos Fatos, publicou uma matéria difamatória contra o Jornal da Cidade Online. No texto, a diretora da agência, Tai Nalon, afirma que “O site Jornal da Cidade Online faz parte de uma rede articulada de desinformação que compartilha dinheiro de publicidade digital com o site Verdade Sufocada, mantido pela viúva do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932-2015)”. Mentira deslavada e extremamente lamentável.

Entretanto, como demonstraremos a seguir, o Jornal da Cidade Online não tem qualquer vínculo com tal site nem jamais recebeu ou compartilhou um único centavo com os responsáveis por ele. Além disso, demonstraremos que o Jornal da Cidade Online não faz parte de qualquer rede de desinformação articulada, como anseia emocionalmente a Aos Fatos. Muito pelo contrário, nosso compromisso é com o bom jornalismo e com a verdade, o que não parece ser o caso da nossa agressora.

A teoria infantil da Aos Fatos sobre uma ligação entre o Jornal da Cidade Online e o Verdade Sufocada tem uma única, frágil e ingênua base. A Aos Fatos diz que:

"[...] comprovou o vínculo entre o Verdade Sufocada e o Jornal da Cidade Online a partir de um código compartilhado por ambos: o Google AdSense ID. No código-fonte do site do Jornal da Cidade Online, é possível ver que a sequência pub-2465231343047930, de marcação do sistema de publicidade do Google, é usada em outros domínios, entre eles o Verdade Sufocada."

Para desmascarar a mentira e a maledicência da Aos Fatos contra o Jornal da Cidade Online, teremos de adentrar em alguns detalhes técnicos.

O código mencionado realmente existe e é o identificador do Google AdSense do Jornal da Cidade Online. Este código também é compartilhado com outros sites parceiros, como os sites dos colunistas Marco Angeli e Frederico Rodrigues. Ambos mantém colunas no Jornal da Cidade Online e têm seus próprios sites. Não haveria qualquer surpresa em encontrar o código do Google AdSense do Jornal da Cidade Online nos sites destes colunistas, uma vez que os sites foram desenvolvidos através de uma parceria com Jornal da Cidade Online e, como a própria 'Aos Fatos' aponta:

"Conforme a política de anúncios do Google, existe a possibilidade de dois ou mais sites compartilharem o mesmo canal de publicidade. O objetivo é otimizar os serviços de monetização, centralizando em apenas uma conta o dinheiro revertido em anúncios veiculados em vários sites."

Entretanto, isso NÃO COMPROVA qualquer “vínculo entre Verdade Sufocada e Jornal da Cidade Online”. Simplesmente porque não existe qualquer vínculo.

Os códigos de anúncio do Google AdSense são pedaços de código incluídos em QUALQUER PÁGINA DE QUALQUER SITE que utilize o programa de publicidade do Google e QUALQUER PESSOA pode visualizá-los. Por exemplo, se você navegar até uma página do site O Antagonista e visualizar o seu código fonte, você poderá visualizar o código de editor do Google AdSense de O Antagonista. O mesmo para o site Brasil247 ou qualquer outro site que utilize o programa do Google.

Isso significa que qualquer pessoa pode copiar esses códigos e os reproduzir em seus próprios sites - o que provavelmente deve ter acontecido com o Verdade Sufocada que, SEM AUTORIZAÇÃO, possivelmente copiou o conteúdo do Jornal da Cidade Online, usando ctrl+c e ctrl+v, copiando juntamente com o texto das matérias os códigos dos anúncios.

O Jornal da Cidade Online não tinha conhecimento de que o tal site vinha reproduzindo conteúdo sem autorização. Portanto, ao contrário das acusações absurdas e levianas da 'Aos Fatos', o Jornal da Cidade Online estava sendo vítima de violação de propriedade intelectual e agora, por parte da 'Aos Fatos', vítima de difamação.

REPETIMOS: o que provavelmente ocorreu foi a cópia de parte do código fonte de matérias do Jornal da Cidade Online por parte do editor do Verdade Sufocada, que acabou reproduzindo - junto com a matéria - o identificador do Google Adsense do Jornal da Cidade Online.

Para comprovar definitivamente que o Jornal da Cidade Online jamais recebeu ou compartilhou um centavo sequer de sua receita de publicidade com o Verdade Sufocada, é possível observar mais duas provas:

Para que os anúncios sejam exibidos e os valores sejam corretamente direcionados pelos sites para a conta do Google AdSense responsável, é necessário que todo site que utiliza o programa adicione à sua raiz um outro código conhecido comoads.txt. Neste arquivo, deveria constar o identificador do Google AdSense do Jornal da Cidade Online, como na imagem abaixo:

O problema é que o site Verdade Sufocada NÃO implementa este código, ou seja, não possui publicidade do Google AdSense. Ao acessar o endereço que deveria conter o arquivo (https://www.averdadesufocada.com/ads.txt), o site redireciona o usuário para a página inicial, como pode ser visto na imagem a seguir. Assim, a conta do Google Adsense do Jornal da Cidade Online jamais foi notificada de que o site Verdade Sufocada estava reproduzindo códigos de anúncio do Jornal da Cidade Online e, portanto, jamais recebemos qualquer valor advindo de acessos ao Verdade Sufocada.

Para afastar qualquer dúvida a respeito, deixamos aqui um registro da nossa lista de sites que fazem uso da conta do Google AdSense retirada da própria plataforma do Google. Ocultamos apenas - por segurança - o final de dois dos domínios por se tratarem de domínios de uso interno.

Assim, a 'Aos Fatos' segue sua caça às bruxas:

"No caso dos dois sites analisados, não fica claro o propósito do compartilhamento da plataforma de publicidade."

É óbvio que tal propósito não fica claro. Isso porque NÃO EXISTE qualquer compartilhamento de publicidade nem qualquer espécie de parceria ou acordo formal ou informal entre o Jornal da Cidade Online e o tal Verdade Sufocada. O editor, José Tolentino, nem mesmo conhece - virtual ou pessoalmente - os responsáveis pelo tal site Verdade Sufocada.

Além disso, a Aos Fatos diz ter tentado contato com o editor, José Tolentino, desde o dia 14 de abril para esclarecer a questão, entretanto só tomamos conhecimento desse contato após a publicação da matéria pela Aos Fatos. Verificando, a agência enviou UMA MENSAGEM ao editor às 13:35 do dia 22 de abril, mesma data da publicação difamatória contra o Jornal da Cidade Online às 17:40. A editora da Aos Fatos deve acreditar que todos devem parar suas vidas para responder às acusações ridículas e infundadas de um veículo insignificante em menos de 4 horas.

Mas o afã da 'Aos Fatos' em difamar o Jornal da Cidade Online não para por aí. Eles seguem com suas ilações delirantes:

"Ação coordenada. O Jornal da Cidade Online é apenas a ponta de uma rede de desinformação articulada entre pelo menos outros quatro sites que republicam entre si textos e mídias semelhantes com o objetivo de amplificar a presença de conteúdos enganosos nas redes sociais."
"Por meio do mesmo código compartilhado com o site Verdade Sufocada, o Jornal da Cidade Online também coordena republicação em outros três sites menores: Folha de Cordeiros, cujo dono é Valdivino Sousa; Frederico Rodrigues e Marco Angeli. Esses três nomes têm presença digital pouco expressiva, mas constam também do expediente do Jornal da Cidade Online como blogueiros."

Vamos ser claros aqui, e pontuar cada questão:

Nós TAMBÉM DESCONHECEMOS o site Folha de Cordeiros. Se o nosso código de anunciante está presente naquele site, provavelmente seja pelo mesmo motivo que aparece no Verdade Sufocada: cópia não autorizada, violação de propriedade intelectual; e ele será acionado na justiça da mesma maneira que o será o Verdade Sufocada e seus responsáveis.

Como já mencionado, Frederico Rodrigues e Marco Angeli são colunistas de longa data do Jornal da Cidade Online que, por meio de uma parceria tiveram seus próprios sites desenvolvidos. O que exatamente há de errado nisso? A Aos Fatos poderia explicar?

Por último, para desapontamento da 'Aos Fatos', o Jornal da Cidade Online não coordena, articula, nem faz parte de qualquer rede “com o objetivo de amplificar a presença de conteúdos enganosos nas redes sociais”. Somos um veículo independente assim como são os colunistas mencionados. O editor, José Tolentino, não pauta os colunistas Frederico Rodrigues e Marco Angeli, nem o que é publicado em seus respectivos sites. Ambos são livres para publicarem seus artigos quando e como quiserem. Estes artigos são simplesmente - e com frequência -, republicados no Jornal da Cidade Online por força da parceria já mencionada. A Aos Fatos parece considerar uma parceria entre uma empresa de jornalismo e dois colunistas uma “rede de desinformação articulada”. Mas é claro que delírios dessa espécie não serão classificados pela Aos Fatos como “teoria conspiratória”, não é mesmo?

Mas porque há essa ansiedade ressentida da Aos Fatos em repetidamente afirmar que o “site Jornal da Cidade Online faz parte de uma rede articulada de desinformação”?

O que eles dizem? Vejamos:

"Durante monitoramento feito durante as eleições de 2018, estudo da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, apontou que o Jornal da Cidade Online foi o site mais popular nos grupos de WhatsApp identificados com ideias e políticos de direita."

Alguém poderia explicar para os ditadores do Ministério da Verdade da 'Aos Fatos' que ser muito compartilhado no WhatsApp pode ser sinal de sucesso e não um crime? O Jornal da Cidade Online jamais usou serviços pagos de disparo de WhatsApp, por exemplo. Parece que a 'Aos Fatos' acredita que esta é a única forma de ter muitos compartilhamentos no aplicativo de mensagens. Mencionam o fato de ter sido o site mais popular entre “ideias e políticos de direita” como se isso fosse algo ruim, ilícito, reptiliano, o que é um sinal do viés ideológico que impera na tal agência que se diz "imparcial" e "transparente".

Por outro lado, a 'Aos Fatos' disfarça de jornalismo o que talvez sejam suas reais intenções com uma matéria nefasta como tal. O real objetivo parece ser acusar o Jornal da Cidade Online de violar as regras do programa do Google AdSense. Assim, se demonstrassem isso ao Google, a empresa seria obrigada a excluir o nosso site do programa. Percebem onde vamos chegar?

Mas para a tristeza da 'Aos Fatos', vamos comprovar mais uma vez: a plataforma do Google Adsense informa aos editores quando há violações das regras do programa. Se por descuido o site violar alguma regra, é possível corrigir o problema e pedir uma revisão ao Google para que tudo volte ao normal. E aqui está o relatório de violações do Jornal da Cidade Online:

Percebam: ZERO violações do site. ZERO violações de seção e apenas CINCO violações de páginas entre mais de 20 mil notícias. E quais violações seriam essas? Seriam conteúdos problemáticos que poderiam agredir ou desinformar os leitores? NADA DISSO. São cinco páginas que o rastreador do Google não foi capaz de acessar.

Mas a obsessão da 'Aos Fatos' em difamar o Jornal da Cidade não é novidade. Em outra matéria fraudulenta, a agência fala sobre as "táticas de ocultação de identidade" usadas por sites, segundo eles, "de desinformação". Entre essas táticas, estaria o seguinte:

"A hospedagem de sites fora do Brasil evita que os servidores sejam obrigados a prover os dados de identificação do responsável pelo portal. Mascarando o uso de IP, também é possível burlar esse método de identificação."
[...] Assim, para identificar o responsável por um site que dissemina desinformação, o primeiro passo seria verificar qual é a empresa que realiza sua hospedagem. Os caminhos para realizar esse processo de identificação, no entanto, podem ser tortuosos na Justiça, especialmente se o provedor estiver instalado fora do Brasil."
"A proteção de domínios só é permitida para sites que não terminem com a extensão .br. Para estes, a contratação viola as regras do Registro.br, que gerencia dados de portais com essa extensão. Por isso, o Jornal da Cidade Online não poderia ter domínio protegido, mas o República de Curitiba, sim"

A agência ignorou o seguinte:

1. O site do Jornal da Cidade Online é hospedado em servidores DENTRO E FORA do Brasil. Ele era hospedado 100% no Brasil até fevereiro de 2019, quando a empresa de hospedagem descontinuou o suporte a um dos softwares que utilizamos na nossa infraestrutura. Sem alternativa no Brasil para o software em questão, a solução foi migrar a parte do sistema que dependia dele para um servidor nos Estados Unidos. Ainda assim, os endereços que os usuários acessam são servidos por servidores NO BRASIL ATÉ HOJE. Cada parte do sistema tem diferentes requisitos técnicos e diferentes necessidades de hospedagem. Ou seja, há uma série de motivos para se hospedar um site fora do Brasil, e não simplesmente "se esquivar da responsabilidade".

2. Eles falam sobre as dificuldade de identificar os responsáveis. Sobre identificar a empresa de hospedagem primeiro. Vejam: NADA DISSO É NECESSÁRIO COM Jornal da Cidade Online: Os dados do editor, o expediente, o CNPJ os telefones de contato, os emails: TUDO ESTÁ NO SITE e a empresa e o editor sempre foram responsabilizados por tudo publicado no site. Ninguém está se esquivando de ser identificado.

3. AGORA, O ÁPICE DA DESONESTIDADE INTELECTUAL: vejam como o último trecho foi escrito. As palavras foram escolhidas para inferir que o Jornal da Cidade Online viola as regras do Registro.br (instituição responsável pelo registro dos sites ".br"): quem lê é induzido a entender que o Jornal da Cidade Online não pode ter o domínio protegido (quando os dados dos responsáveis são ocultados) mas tem. ISSO É MENTIRA!!! O domínio do Jornal da Cidade Online NÃO É PROTEGIDO e qualquer um que acessar este link pode ver os dados do proprietário.

Enfim, mais uma bela de notícia falsa, no mínimo enganosa, produzida pelo Ministério da Verdade. Uma clara perseguição e uma campanha difamatória produzida pela turma que supostamente "combate a desinformação".

Ficam aqui desmontadas as mentiras estapafúrdias da 'Aos Fatos', que usou de jornalismo pobre, distorções baratas e suposições infundadas contra o Jornal da Cidade Online. A pergunta agora é: quem vigia o vigia? Quem pode ir até o Google ou o Facebook e marcar a matéria da 'Aos Fatos' como falsa? Um poder que a 'Aos Fatos' desfruta junto ao Facebook. Um poder de censura privada onde duas empresas em conjunto podem definir qual informação circula livremente e qual tem seu alcance reduzido. Quem?

Não leitores, apenas os ditadores do Ministério da Verdade detém esse poder, e você está fadado a, no longo prazo, ler apenas o que eles determinarem que você pode ler, o que eles já “verificaram”.

Também é preciso questionar se a editora, Tai Nalon, será convocada pelo circo da CPI das Fake News, da qual, ironicamente, participou como convidada, como uma "autoridade" no assunto.

Com isso, informamos ao Verdade Sufocada, ao Folha de Cordeiros e a 'Aos Fatos' que todos serão acionados na justiça por seus respectivos crimes e difamações.

A 'Aos Fatos', em particular, há tempos tem tratado o Jornal da Cidade Online como um “bar de esquina”, não como uma empresa constituída, com CNPJ impecável, com uma reputação nacional e que goza das garantias da Lei de Imprensa. Chegou a hora de demonstrar isso judicialmente para reduzir sua obsessão contra o nosso trabalho.

Com nossos leitores, apenas reforçamos nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro e corajoso que PRECISA ser feito em oposição à mídia tradicional e propagandista que tem como péssima tradição apenas a reprodução das narrativas oficiais e como chanceladores os ditadores do Ministério da Verdade.

José Tolentino

Jornalista. Editor do Jornal da Cidade Online.

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários